quinta-feira, 31 de março de 2011

Sem criatividade, São Paulo perde no Recife

Passado o período de festas no Morumbi, o São Paulo foi ao Recife, para enfrentar o Santa Cruz, pela 2ª fase da Copa do Brasil, no estádio do Arruda. Se a torcida tricolor estava confiante, devido aos acontecimentos recentes, começou a mudar de semblante ao olhar a escalação. Inexplicavelmente, o técnico Paulo Cesar Carpegiani mudou a equipe que vinha atuando no Campeonato Paulista, entrando em campo com apenas um jogador de marcação no meio, Rodrigo Souto, sem contar Jean, que se revezava entre o meio e a lateral.
O jogo foi muito feio. O Santa Cruz só conseguia se fechar na retranca e parar o time são-paulino na base da falta - algumas fortes demais, até. Enquanto isso, um São Paulo preguiçoso, sem imaginação, entregava-se facilmente à marcação pernambucana. Para premiar um 1º tempo insosso ao extremo, Rodrigo Souto ainda marcou um gol contra. Um gol ridículo, aliás. O volante interceptou sozinho dentro da área um cruzamento fraco, e bateu na bola de qualquer jeito, no canto oposto de Rogério Ceni. Ao meu ver, é inadimissível um erro desse proveniente de um jogador profissional.
Em bom número, a torcida foi a boa exceção são-paulina no Arruda (UOL Esportes)
Na 2ª etapa, o show de horrores continuou, sem grandes chances de ambos os lados e festival de faltas do tricolor pernambucano, que, por isso, teve de jogar metade do segundo tempo com um jogador a menos. E nem a vantagem numérica serviu para o São Paulo tirar proveito, a ponto de o capitão Rogério Ceni ser visto num descontrole totalmente incomum. Por fim, o Tricolor não só não alcançou o objetivo de eliminar a partida de volta como retorna para a capital paulista em desvantagem no confronto.
Só não entendo esse alarmismo todo de grande parte da imprensa, que fala que o São Paulo está em situação complicada, está desesperado, à beira da eliminação. Será que é uma tarefa tão árdua assim fazer 2x0 em casa contra um clube da 4ª divisão nacional? 1x0 é um resultado perfeitamente reversível, ainda mais se levarmos em conta a diferença colossal entre as equipes em questão. Só não dá para Carpegiani ficar executando mudanças sem nexo e a todo momento.

Ficha técnica:
Santa Cruz 1x0 São Paulo
Estádio: Arruda (Recife)
Gol: Rodrigo Souto (contra), 34' do 1º
Cartão vermelho: Leandro Souza (SC)


Santa Cruz: Tiago Cardoso; Leandro Souza, Everton Sena e Thiago Matias; Cléber Goiano, Jeovânio, Wesley, Natan (André Oliveira, 26min/2ºT) e Renatinho; Landu (Marcus Vinicius, 26min/2ºT) e Gilberto (Laécio, 44min/2ºT)
T: Zé Teodoro


São Paulo: Rogério Ceni; Rhodolfo, Alex Silva e Miranda; Jean, Rodrigo Souto (Marlos, 22min/2ºT), Rivaldo (Ilsinho, 14min/2ºT), Lucas e Juan (Carlinhos, no intervalo); Dagoberto e Fernandinho
T: Paulo César Carpegiani


Postado por Éder Moura

terça-feira, 29 de março de 2011

Série: "Meu jogo eterno" 10/12/1995​: O dia em que o "Gigante" acordou e massacrou o Flu

                                            Um dos maiores jogos da história do Santos F.C
Pré-jogo

O campeonato daquele ano foi marcante, por ser o primeiro campeonato no país em que a vitória valia três pontos e não dois e que teríamos empate e não mais as famosas disputas de pênaltes sendo assim uma nova forma de jogar futebol.

O torneio era disputado da seguinte forma:
Primeira Fase: Os 24 clubes jogam todos contra todos, em turno único, porém organizados em duas chaves de 12 para efeito de classificação. Na primeira etapa (11 rodadas), os jogos são apenas dentro de cada chave. Na segunda etapa (12 rodadas), os clubes da chave A enfrentam os da chave B. Classificam-se para a Fase Final apenas os vencedores de cada chave em cada etapa.
Fase Final (com Semifinais e Final): Sistema eliminatório, com jogos em ida e volta, cabendo a vantagem do duplo empate aos clubes com melhor campanha.

O Jogo:
Eu tinha três anos de idade, e não acompanhei este jogo, talvez uma das minhas maiores frustrações como ser humano, não senti aqueles dias tensos para o grande jogo de volta da semi-final do Campeonato Brasileiro de 1995, onde tínhamos Santos x Fluminense se enfrentando para descobrir quem enfrentaria o Botafogo de Túlio Maravilha que havia eliminado o Cruzeiro.


Era um Domingo a tarde, 16:00 horas, estádio do Pacaembu, ainda em reformas no Tobogã que faria com que o estádio coubesse 38 mil pessoas.
Naquela tarde no estádio, haviam 30 mil pessoas ainda sem o Tobogã, que hoje cabe cerca de 12 a 15mil pessoas, ou seja a galera santista, se tivesse com a capacidade total do estádio a disposição, entraria para história do estádio com um público de 45 mil pessoas o que hoje é impossível, já que o público máximo é de 38 mil pessoas, e olha que o Santos tinha perdido o primeiro jogo por 4x1 e tinha que vencer por três gols de diferença.

Era uma missão quase que impossível para o Santos, vencer o Fluminense por três gol de diferença, sendo que a equipe não tinha perdido um jogo sequer por essa vantagem, tanto no campeonato quanto há exatos um ano e meio, ou seja "podem esquecer santista que essa já é nossa sangue" diziam os tricolores cariocas.

O Santos entrou em campo, com uma formação audaciosa, um 4-2-4 com Giovanni, Marcelo Passos, Camanducaia e Macedo, ou seja time todo ao ataque.

A torcida alvinegra praiana, esquentava o ambiente do jogo, a peiddo dos jogadores que durante toda a semana, pediram o apoio do apaixonado torcedor, que não parava de cantar nem por um minuto.

O jogo começou e o Santos apertava a marcação do Fluminense, o que era claro pelas circunstâncias da partida.A estratégia dos cariocas, era de utilizar os contra-ataques para matar a partida.

O Santos foi ao ataque e Capixaba fez uma bela finta e arriscou de fora da área, o goleiro Emerson fez um linda defesa, eram menos de 5 minutos e quase que o peixe fez um golaço.

O Fluminense assustava no contra-ataques, Renato Gaúcho, recebeu belo passe de Rogerinho, invadiu a área e bateu para o gol, Marcos Adriano bloqueou o chute, e no rebote Carlinhos chutou para longe, uma bola perigosa no time visitante.

Camanducaia recebeu bola pela esquerda de Galo, partiu para cima de Ronald, e sofreu pênalti, aos 25 minutos do primeiro tempo.Na cobrança, Giovanni bateu com força no canto esquerdo de wellerson, Santos1x0, agora faltavam mais dois gols para a vaga para a final.
                    Giovanni ou simplesmente G10 buscando a bola apos o primeiro gol
A torcida não parava de cantar, incentivava o tempo todo, e a pressão só aumentava, até que pouco tempo depois do primeiro gol, para ser exato quatro minutos após o primeiro, veio o segundo, depois de um belo passe de Carlinhos, Giovanni driblou o zagueiro Lima com uma finta de corpo, e antes de dividir a bola com Ronald, chutou de bico, um golaço de G10, Peixão 2x0, e o que parecia difícil já estva caindo por terra.
Aos 34 minutos, Rogerinho tentou invadir a área do Santos, a bola sobrou para Valdeir que chutou para o gol, Edinho fez uma bela defesa e no rebote, a bola bateu no peito Marcos Adriano que tirou a bola de bicicleta, era uma bela chance do time carioca de abaixar a bola dos guerreiros da Vila Belmiro.Logo em seguida, falta no meio de campo onde Carlinhos levantou para dentro da área e Macedo apareceu de surpresa e chutou na trave quase era o terceiro que garantiria a classificação do peixe.
Antes do final do primeiro tempo ainda teve uma falta com muito perigo de Carlinhos que raspou a trave esquerda do goleiro do Fluminense.
O intervalo tornou-se histórico pelo simples fato: O Santos não foi ao vestiário, o treinador Cabralzinho, queria que seus jogadores sentissem o apoio que vinha das arquibancada e que assim tivessem mais força para vencer o Fluminense e ir a então sonhada final
                                                  Intervalo marcante para todos os santistas
O Segundo tempo guardaria muitas emoções a nós santistas, pois logo no ínicio, Marcelo Passos roubou uma bola no meio-de-campo, tocou para Giovanni que passou para Macedo dominar com o pé direito e fuzilar com o pé esquerdo, Santos 3x0 e muita festa o que parceia impossível estava se concretizando.
Mas futebol é uma caixinha de surpressas e logo em seguida, falta para o tricolor carioca, cruzamento na área um bate e rebate, Otacílio chuta na trave e no rebote Rogerinho faz o gol do Fluminense, 3x1 Santos, ai eu lhes digo é uma ducha de água fria? que nada pois a equipe não estava de brincadeira e estava disposta a acabar com o time do Rio de Janeiro, e ao 16 minutos Marquinhos Capixaba faz um lançamento na direita para Giovanni que disputa a bola com o zagueiro Alê que bobeia e o camisa 10, invade a área divide com o goleiro Wellerson e deixa Camanducaia sozinho para empurrar para o gol vazio, Santos 4x1 denovo o gloriosso alvinegro praiano estava com a classificação na mão.O Pacaembu fervia comõ nunca a torcida do Santos arrepiava a todos os presentes no estádio com sua festa em um mar branco cheio de corações apaixonados.
                              Camanducaia comemorando o 4° gol alvinegro


A festa não iria acabar nunca tanto que aos 37 minutos, Renato Gaúcho não domina a bola, ela sai pela linha lateral, Marcos adriano cobra nos pés do Deus Giovanni que domina recebe a marcação de três jogadores do Fluminense(Vampeta, Ronald e Lima), e sabem o que ele fez? deu um lindo passe de calcanhar para Marcelo Passos que partiu no mano a mano com o zagueiro Alê, ele ajeito e chutou com uma linda curva no canto do goleiro wellerson, GOLAÇO Santos 5x1, me emociona só de lembrar o lance que me eternizará para sempre um gol de placa com um passe de quem foi um "pouquinho" Pelé pelo menos 10% da genialidade do rei do futebol e não é exagero dizer isso de um jogador que fez uma partida memorável, com dois gols três assistências.

Mas o tricolor carioca não estava morto mesmo com seu torcedor muito triste deixando as arquibancadas do estádio, fez mais um gol aos 39 minutos pouco tempo depois do quinto gol santista, Aílton cruzou de bico para área, Ronaldo Marconato tentou tirar de voleio e ajeito para Rogerinho marcar o seu segundo gol na partida, Santos 5x2 Fluminense.daí em diante muita pressão do Fluzão mas não deu em nada o árbitro Sidrack Marinho apitou aos 48 minutos o fim de um filme que ganhou muitos e muitos oscars de melhor roteiro, melhor ator e melhor elenco, num filme que está e estará na mente de todos os santistas deste mundom até mesmos os que não presenciarão como eu mais que sem duvída não morreram antes de conhecer a história deste que na minha opinião é um jogo Eterno!.
                                        Fim de jogo e muita festa para o time do Santos

Postado por: Guilherme Sernajoto 

SANTOS F.C. 5 x 2 FLUMINENSE F.C.
Data: 10 de dezembro de 1995
Local: Estádio Paulo Machado de Carvalho (Pacaembu) - São Paulo/SP
Árbitro: Sidrack Marinho dos Santos
Cartões amarelos: Marcos Adriano, Ronald, Carlinhos e Aílton
Cartão vermelho: Ronaldo Marconato
Gols: Giovanni aos 25' (de pênalti) e aos 29' do 1º tempo; Macedo aos 5', Rogerinho aos 7', Camanducaia aos 16', Marcelo Passos aos 37' e Rogerinho aos 39' do 2º tempo.
Santos: Edinho; Marquinhos Capixaba, Narciso, Ronaldo Marconato e Marcos Adriano; Carlinhos, Gallo, Giovanni e Marcelo Passos (Pintado, depois Marcos Paulo); Camanducaia (Batista) e Macedo. Técnico: Cabralzinho
Fluminense: Wellerson; Ronald, Lima, Alê (Gaúcho) e Cássio; Vampeta, Otacílio, Aílton e Rogerinho; Renato Gaúcho e Valdeir (Leonardo). Técnico: Joel Santana
                                                              Jogo de ida 4x1 Fluminense
                                                             Jogo de volta 5x2 Santaso
Milton Neves emocionante
                                                        Escalações do jogo(reparem no 4-2-4)

Meu Time na Semana

Corinthians: 
Para os corintianos a semana não começou bem, já que o tabu para o rival do Morumbi foi quebrado, após quatro anos sem derrota, a perda da liderança do campeonato, a queda para o terceiro lugar. A fama de rei dos clássicos foi colocada em xeque. Mas os torcedores se preocupam agora é com o mata-mata do Paulistão e a chegada do Imperador Adriano, possivelmente na quinta-feira. Era esperada uma grande festa, cogitava-se a apresentação no Museu do Ipiranga ou o Parque da Independência como o palco. Porém isso não deve acontecer e depois da apresentação, Adriano ficará em tratamento na clínica de Ronaldo Fenômeno, no Rio de Janeiro. E só no fim de abril, ele deverá treinar junto com os novos companheiros no CT Joaquim Grava.
O meia Bruno César acertou sua ida para o Benfica, de Portugal, mas só em junho ele poderá jogar pelo time português, logo continuará jogando pelo Todo Poderoso, sabe-se lá de que maneira, já que o antigo camisa 10 parece ter esquecido de jogar bola. O Timão procura agora reforços, o atacante Gilberto do Santa Cruz acertou as bases salariais, mas a negociação parece ter dado errado, já que os dirigentes do clube pernambucano dificultam a transferência. O Corinthians tenta contratar o meia Alex, ex-jogador do Internacional de Porto Alegre, atualmente no Spartak Moscou, mas essa contratação será muito complicada, já que o meia é muito querido pelo time russo.
O Timão volta a campo no domingo, às 18:30 no estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto, contra o Botafogo.

postado por Felipe Fernandes

Palmeiras:
Após garantir a liderança  do Paulistão na última rodada contra o Bragantino, o meu glorioso Palmeiras vai até a Vila Belmiro enfrentar o todo poderoso Santos. Como eliminou o jogo de volta da Copa do Brasil, Felipão tem a semana inteira para treinar, e montar o time ideal para encarar o time da baixada. Tenho certeza que Kléber’30 decidirá o jogo à favor do Palmeiras, e trará mais uma vitória para o time de Palestra Itália.

Postado por: Guilherme Henrique

Santos:
Esta semana ao contrário do São Paulo, o peixão joga apenas no Domingo e aliás que jogo será este, o clássico da saudade Santos x Palmeiras um jogo de muita história, de um lado Neymar, Ganso e Elano, e do outro lado Kleber, Valdivia e Lincon, jogo que encerrará os clássico nesta primeira fase, mas sem dúvidas teremos um jogo bastante disputado pois, o Santos precisa vencer para manter o sonho de acabar esta fase qualificatória em primeiro lugar e o Palmeiras, quer manter a liderança que lhe trará vantagem futuramente no campeonato. 
O Palmeiras vem embalado, os comandados do chefe Felipão, estão ansiosos pelo confronto com o time alvinegro na Baixada Santista, com um time completo, creio que não será fácil uma vitória neste clássico, mas é aquela coisa clássico é clássico. 
O Santos tenta aos trancos e Barrancos, crescer de vez no ano e claro animar o seu exigente torcedor que espera muito de um time milionário como este afinal, uma equipe que tem Arouca, Ganso, Elano, Neymar, é necessário um bom futebol e bons resultados, mas isso não vem acontecendo,pois o time santista, vem sofrendo para vencer suas partidas, inclusive aquelas que são consideradas fáceis, mas eu espero nesta semana ainda a chegada do treinador Muricy Ramalho, que sem dúvidas, trará a equipe alvinegra um novo gás para esse ano que tem uma importância grande até pelos gasto feitos pela diretoria. 
Com a equipe completa, e mais a chegada do "Muricy rei do brasilero Ramalho", espero uma vitória do peixão para baixar a bola destes palmeirenses que estão nos chamando de freguêses mas é normal, pois um dia é da caça e outro do caçador.

Postado por: Guilherme Sernajoto

São Paulo:
A euforia é grande no Tricolor. Após a vitória por 2x1 no clássico contra o Corinthians, em Barueri, e do 100º gol da carreira de Rogério Ceni, nesta terça-feira tem mais: a apresentação de Luís Fabiano, com grande festa e portões abertos, no Morumbi, às 19:00. Mas nem só de festa vive o São Paulo. Na quarta-feira, a equipe entra em campo no estádio do Arruda, no Recife, para enfrentar o Santa Cruz, pela 2ª fase da Copa do Brasil. O tricolor pernambucano, há três anos na 4ª divisão do Campeonato Brasileiro, parece finalmente estar saindo do coma, com grande campanha em seu estadual, no qual lidera. Mas, ao meu ver, basta repetir o futebol do clássico de domingo para o São Paulo vencer por, pelo menos, dois gols de diferença e, assim como já fez na 1ª fase, eliminar o jogo de volta. Para essa partida, o Tricolor terá o retorno do meia Lucas. No final de semana, o São Paulo volta a campo pelo Campeonato Paulista, domingo, às 16:00, contra o Mirassol, no Morumbi. É uma ótima oportunidade para garantir o 1º lugar na fase, pois basta uma vitória, somada a um empate do Palmeiras contra o Santos, na Vila. E, tendo em vista as duas rodadas finais, qualquer tropeço daqui pra frente é improvável.

Postado por Éder Moura



segunda-feira, 28 de março de 2011

A Liderança mudou de mãos, e agora é verde!

Linconl mais uma vez em campo.(Foto: Tom dib)

  O Palmeiras alcançou mais uma vitória no Campeonato Paulista, desta vez o clube palestrino não tomou conhecimento do Bragantino, e aplicou sonoros 3x0 no estádio do Canindé. Mais uma vez o Palmeiras atuou na ''ilha de lost'', e ao que me parece, a torcida dessa vez lotou o estádio e realmente aderiu o campo da Lusa, como sua casa ''temporária''.
  O time alviverde entrou em campo, sabendo que uma vitória contra o Bragantino, e um possível tropeço do Corinthians, deixariam o time de Palestra Itália na liderança do Paulistão, então o Palmeiras tratou logo de resolver a situação, e aos 2 minutos de jogo, Thiago Heleno cobrou falta de longe, a barreira abriu e complicou o goleiro Gilvan, 1x0 Palmeiras. O time da capital paulista seguiu criando oportunidades com Kléber'30 e Adriano MJ, no entanto o resultado permaneceu e as duas equipes foram para o vestiário.
   No 2º tempo, o Bragantino voltou melhor, criou algumas oportunidades, mas esbarrou na ineficiência de seus atacantes. Felipão resolveu então tirar o lateal Cicinho que estava dando muito espaço e cometendo faltas perigosas, e colocou o meia João Vitor, com isso, Marcio Araujo foi deslocado para fazer a função de lateral. A outra modificação foi a entrada de Luan na vaga de Adriano MJ. Aos 35 minutos da segunda etapa, o Palmeiras fez o segundo, mais uma vez com o zagueiro Thiago Heleno que subiu mais alto que a zaga e marcou de cabeça, após cobrança de falta. Pronto, o jogo estava resolvido para o Palmeiras, mas antes do apito final do árbitro, o verdão anotou mais um tento à seu favor. A jogada que começou no lado direito com o versátil Marcio Araujo, foi parar no lado esquerdo com  Patrick , que deixou João Vitor na boa, para fazer o terceiro gol palestrino, o seu primeiro com a camisa palmeirense.
  O jogo em si não foi muito interessante, já que todas as atenções do Palmeiras estão voltadas para o jogo diante do Santos na Vila Belmiro, mas ao mesmo tempo, fico feliz em ver um jogador como o Lincoln atuando com a camisa do Palmeiras, mais que isso, sendo produtivo com a camisa alviverde. O Palmeiras ainda mostra algumas deficiências, lances bobos na entrada da área, de uma equipe que ainda não esta em plena confiança, mas Felipão vem mudando esse roteiro, deixando o time mais destemido na hora de atacar, mais sereno na hora de defender, buscando esse tal equilíbrio dentro do elenco pameirense, e ao que me parece, aos poucos, ele está encontrando. É claro que ele não tem à disposição o elenco que gostaria, mas mesmo assim ele consegue motivar o grupo, tirar o melhor de cada jogador, e fazer com que o Palmeiras não passe a mesma vergonha do Paulistão de 2010, quando ficou na humilhante décima primeira posição.
    Desta vez não tenho grandes críticas, o time atuou bem, mostrou fragilidade, mais no contexto geral, soube se defender de maneira eficaz, e quando teve as oportunidades, fez  gol, trabalhou bem a bola, com paciência. Os torcedores que puderam acompahar o jogo, ficaram satisfeitos com mais uma vitória e a liderança do Campeonato Paulista.

Postado por: Guilherme Henrique

Santos vence o Ituano fora de casa e garante classificação para as quartas do Paulistão

                                Keirrison comemorando o gol da virada(globoesporte.com)


O Santos bateu a equipe do Ituano na cidade de Itú pelo placar de 3x2, pela 16° rodada do Paulistão 2011.

O jogo foi bastante aberto, com ambas as equipes buscando o resultado que seria fundamental para ambas no campeonato já que, o Ituano luta contra o rebaixamento e o Santos pela tranquilidade para a sequência no campeonato e Libertadores.

O time da Vila Belmiro tinha uma novidade, Tiago Alves garoto da base alvinegra que é motivo de bastante expectativa pelos torcedores por sua grande qualidade técnica.O time de Itú tinha Serginho um jogador com bastante velocidade.

O time da casa abriu o placar com um gol de Serginho aos 24 minutos da primeira etapa, sendo que antes do gol o time do interior paulista, dava muito trabalho para o time desfalcado do Santos. Na jogada do gol, Jumior Urso que durante a partida, teve um duelo pessoal com Ganso, cruzou na área e Serginho estava livre para marcar 1x0 Ituano.

O time alvinegro mostrou não sentir o gol sofrido e um pouco depois, aos 27 minutos, o atacante Tiago Alves em seu primeiro jogo como titular, levouu a bola para linha de fundo e cruzou direto para o gol, um belo gol 1x1.

Depois do gol, o Peixe cresceu na partida e mesmo com seu camisa 10 PH Ganso apagado, conseguiu a virada, com o atacante Keirrison aos 35 minutos, que recebeu um lindo passe do meia Felipe Anderson, que tocou a bola no meio de dois zagueiros para o camisa 9 só empurrar a bola na rede, Santos de virada 2x1.

O segundo tempo foi com nível abaixo em comparação a primeira etapa, com o alvinegro praiano segurando o jogo sem arriscar muito para não levar o empate, e quando o time mandante decidiu partir para o ataque, levou o terceiro, depois de uma bela jogada de Alan Patrick, Ganso fez um belo passe para o lateral Jonanthan que dominou com o pé esquerdo e com a bola ainda no ar, bateu uma bomba com o pé direito, golaço do lateral santista, Peixe 3x1 aos 21 minutos.

Depois do gol o Santos perdeu inúmeras chances de golear o time da casa e passar o Corinthians no saldo de gols, mas como diz o ditado quem não faz leva, isso aconteceu só que aos 37 minutos, Alan num bate e rebate na área recebeu sozinho de Malaquias e bateu forte no meio do gol, 3x2.

O jogo que parecia fácil, estava ficando complicado, o time do Ituano pressionava muito o Santos, porém não criou jogadas que possam ser ditas como suficientes para marcar o gol de empate, que deixaria o time fora da zona do rebaixamento, e o tempo foi passando e apenas pressão do time da casa até que aos 48 minutos o árbitro encerrou o jogo, vitória do meu Santos querido que já está classificado, agora vamos brigar para classificarmos em primeiro lugar.
O próximo compromisso do time de Itú, será em casa contra o Oeste no Sábado ás 16:00 no Noveli Junior, já o Santos jogará em casa contra o Palmeiras no Alçapão da Vila Belmiro no Domingo ás 16:00.

Quero parabenizar o time do Ituano pelo belo estádio reformado, apesar de não ter ido ao jogo, pude perceber o conforto dos torcedores e a qualidade da iluminação  também os elogios da imprensa e torcida, espero que os times grandes de país ou até mesmo os outros clubes do interior, façam reformas assim nos seus estádio pois quem tem a ganhar é o clube que atrairá mais torcedores e o futebol que ganha um belo palco para grandes jogos.

Agora estou na expectativa para pegarmos a porcada no Alçapão, espero  ganharmos para entrarmos de vez na briga pela liderança do campeonato que será importante para a fase do mata-mata do campeonato que está chegando.

Com o Peixe completo, espero uma boa vitória para acabarmos com esse status de freguês do Palmeiras pois Santos é Santos e não se fala mais nisso.


Ô,Ô,Ô,  vamos ganhar Santos, vamos ganhar Santos, vamos ganhar Santos, Ô,Ô,Ô..........

Postado por: Guilherme Sernajoto

Ituano
Marcelo Bonan; Anderson Sales, Rodrigão, Jackson e Alex Cazumba; Adoniran, Junior Urso, Alemão (Oliveira) e Jefferson (Alan); Leomir (Welton) e Malaquias. 
Treinador: Ruy Scarpino

Santos
Rafael, Jonathan (Charles), Edu Dracena, Bruno Rodrigo (Bruno Aguiar) e Danilo; Possebon, Adriano, Ganso e Felipe Anderson; Tiago Alves (Alan Patrick) e Keirriso
Treinador: Marcelo Martellote

Gols: Jefferson, aos 24, e Tiago Alves, aos 27 minutos, e Keirrison, aos 35 minutos do primeiro tempo. Jonathan, aos 21, e Alan, aos 37 minutos do segundo tempo.

Cartões: Danilo, Possebon e Ganso (Santos). Leomir e Jackson (Ituano)

domingo, 27 de março de 2011

Vitória 100sacional!

Primeiramente, peço desculpas por quebrar o protocolo. Não escreverei este post como jornalista - até porque nem tenho condições psicológicas para isso neste momento. Escreverei este texto como torcedor.
Até o último dia de minha vida, terei o orgulho em dizer que estava na Arena Barueri neste inesquecível domingo, 27 de março de 2011, ao ponto guardar para sempre o horroroso ingresso, como prova material do que digo.
Por questão de falta de organização dos responsáveis pela segurança da partida, só consegui entrar na Arena aos 20 minutos de jogo. O que me pareceu até então, de acordo com o que ouvia pelo rádio, era que o jogo seguia modorrento, com o Corinthians tendo a posse de bola a quase todo momento, embora não levasse perigo ao São Paulo. Parecia que o Tricolor esperava a sua torcida chegar para começar a jogar, pois só foi as organizadas chegarem para a equipe melhorar na partida. Aos 33 minutos, Ilsinho levantou a torcida são-paulina, ao aplicar um belo elástico para cima de Alessandro. Aos 39, Dagoberto recebeu e deu um chutaço de fora da área, marcando um golaço: 1x0 São Paulo. No 2º tempo, logo aos oito minutos, o momento tão esperado: Fernandinho é derrubado perto da área. Falta, que Rogério Ceni cobra com maestria, marcando o centésimo gol de sua carreira, logo contra o Corinthians, desejo de 99% dos tricolores: 2x0 São Paulo. Mito, gênio, não há palavras para descrever o camisa 01 do Tricolor. Aquele foi, sem dúvidas, um dos momentos mais emocionantes da história do futebol, ao ponto de serem vistos vários torcedores chorando nas arquibancadas - e este que vos fala por pouco não foi um desses. Àquela altura, ninguém mais lembrava do jogo. Era só exaltação ao Capitão. Os fogos explodiram na Arena Barueri por vários minutos. E os corinthianos parecem não terem gostado muito. Aos 18, Alessandro deu uma entrada violenta em Dagoberto, na lateral do campo, e foi expulso.

Rogério "Mito" Ceni comemora seu 100º gol na carreira (Globoesporte.com)

Mesmo com um a menos, o Corinthians foi para cima e achou seu gol, marcado por Dentinho, aos 22. E parecia que o vento começaria a soprar a favor dos alvinegros, pois, pouco depois, Dagoberto foi expulso inexplicavelmente, por uma falta normal do jogo. Mas o próprio Dentinho trataria de deixar o Tricolor novamente com um a mais, recebendo cartão vermelho após agredir Rodrigo Souto, em lance que já havia sido marcada falta para o Corinthians. Mesmo assim, o clube da Z/L ainda tentou. O São Paulo, burramente, não segurava a posse de bola, dando sempre a possibilidade de os corinthianos descerem ao ataque, inclusive obrigando Rogério Ceni a fazer grandes defesas, como numa bicicleta de Liédson. Mas a melhor chance foi do São Paulo. Em um contra-ataque, Marlos desceu sozinho, sem marcação alguma e cara-a-cara com o goleiro Júlio César. Era só bater para o gol e definir a vitória são-paulina, mas o camisa 11 preferiu rolar para Rivaldo. Porém, o passe não foi bom e a bola acabou sendo interceptada pelo goleiro alvinegro. De resto, o Corinthians ainda tentou, mas sem organização, sem forças. E o São Paulo venceu o clássico por 2x1, em Barueri, assumindo a vice-liderança do Paulistão e colocando um ponto final no incômodo tabu de quatro anos sem vencer o Majestoso. Mas, cá entre nós, o que esse jogo vai realmente deixar para a história é o 100º gol de Rogério Ceni. O Mito e a sua arte, o seu feito.
E eu terei, eternamente, o prazer e o orgulho de dizer: eu estava lá!

Ficha técnica:
São Paulo 2x1 Corinthians
Estádio: Arena Barueri (Barueri)
Gols: Dagoberto (SP) 39' do 1º; Rogério Ceni (SP) 8' e Dentinho (COR) 22' do 2º
Cartão Vermelho: Alessandro (COR), Dagoberto (SP) e Dentinho (COR)

São Paulo: Rogério Ceni; Rhodolfo, Alex Silva e Miranda; Ilsinho (Marlos, 25' do 2º), Rodrigo Souto (Casemiro, 37' do 2º), Jean, Carlinhos Paraíba e Júnior César; Fernandinho (Rivaldo, 42' do 2º) e Dagoberto.
T: Paulo César Carpegiani
Corinthians: Júlio César; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos (Danilo, 39' do 2º); Paulinho, Ralph, Morais (Ramirez, 15' do 2º) e Jorge Henrique (Willian, 15' do 2º); Dentinho e Liedson.
T: Tite

Postado por Éder Moura

Corinthians joga mal, perde o clássico por 2 X1 e vê 100° gol de R. Ceni

A semana conspirava para a quebra do tabu, no Majestoso, o São Paulo começara a semana como líder do campeonato e o Corinthians vinha de vitórias contra times fracos e não mostrava um futebol vistoso. Na quarta-feira passada, o Timão ganhou de 3x0 do Oeste e viu o Tricolor ser derrotado em Jundiaí, mesmo jogando melhor, perdendo muitos gols e com falhas da defesa e de seu goleiro, mas seu arqueiro marcou um gol de pênalti e assim o de número 99 na carreira.
Para o Majestoso, os jogadores do Corithians falavam de mais do centésimo gol da carreira de Ceni, parecendo prever que ele viria no clássico. Isso pareceu afetar psicologicamente os jogadores do Timão, com tudo isso a derrota no clássico se desenhava.
O Todo Podereso Timão vinha de excelentes resultados em clássicos, a última derrota tinha sido no Paulistão do ano passado, para o Santos por 2x1, o jogo do chapéu  de Neymar no Chicão com o jogo parado. Contra o São Paulo então, as coisas eram mais fáceis ainda, o Corinthians vinha de 11 jogos sem derrota, com sete vitórias e quatro empates, em um período de mais de quatro anos.
Bom com todo o contexto do clássico apresentado, vamos ao jogo e quando a bola rolou, o jogo tão aguardado e com uma grande expectativa deixou a desejar, mais pelo lado do Corinthians, que não jogou no primeiro tempo. O time de Parque São Jorge tinha mais a posse de bola, mas sem perigo algum e com seus jogadores de frente sumidos no jogo. Apenas Liedson incorporou o espírito corintiano em campo, sempre correndo, sempre lutando, brigando por cada disputa de bola. Jorge Henrique, Morais e Dentinho, além dos laterais nada fizeram. O São Paulo fechado, não dando espaços ao Corinthians, buscava os contra ataques e os chutes de longa distância eram as opções para sair o gol. Depois de Dagoberto, Carlinhos Paraíba, Jean e Rhodolfo, Dagoberto finalmente acertou o pé e mandou uma bomba no canto direito de Julio Cesar, a defesa deu espaços e o goleiro alvinegro não chegou na bola, golaço, 1x0 Tricolor que mandava no jogo, desde os vinte do primeiro tempo. No último lance do 1° tempo, Dentinho perdeu um gol íncrivel, após Fábio Santos cruzar para área, Dentinho sozinho entre os zagueiros errou o tempo de bola e não conseguiu cabecear a bola, um conselho para Dentinho, treinar cabeceios faz parte da profissão de um atacante de time grande.
Para o 2° tempo a torcida Tricolor esperava por uma falta próxima da área e a Fiel torcida que os jogadores do Corinthians aparecessem para jogar. Logo aos 2 minutos Jorge Henrique bateu para defesa do goleiro Ceni. Aos 8 minutos, o tão aguardado centésimo gol veio, contra o maior rival, que comemora seu centenário, de falta (que não aconteceu) e com a possível quebra do tabu, tudo que a torcida Tricolor esperava. Fernandinho ciscou pelo lado esquerdo e Ralf cortou, o juiz marcou a falta, que não houve. Rogério que não tem nada com isso, ajeitou a bola, Julio Cesar armou a barreira com cara de assustado, a torcida são paulina agitava-se. O camisa 1 Tricolor bateu com maestria, por cima da barreira, a bola foi no ângulo, Julio Cesar pulou mas sem qualquer chance de defesa, golaço e o gol histórico. Para um goleiro é uma marca inacreditável, talvez nunca haverá outro, mas se analisarmos bem a carreira de Rogério Ceni, nada de anormal, um atleta que ama a camisa que veste, que se cuida, que treina arduamente e que tem um talento para bater na bola digno de jogadores de linha.
Depois do gol a partida parecia encerrada, ainda com os jogadores do Timão desnorteados, Alessandro foi expulso após carrinho violento, a torcida atirava copos de água e baquetas de bateria no capitão são paulino que tentava, mais era evidente sua euforia e satisfação, por Rogério a partida podia acabar naquele momento.
Dentinho ainda teve tempo de diminuir o placar, em um belo chute de fora da área, no canto direito. E quando parecia que o empate viria com a expulsão de Dagoberto, Dentinho aprontou e agrediu Rodrigo Souto. Após sofrer a falta, o jovem atacante chutou o jogador do tricolor, recebendo merecidamente o vermelho. Ainda assim o Corinthians tentava o empate, o São Paulo desperdiçava alguns ataques e a chance de matar o jogo. O juiz deu seis minutos de acréscimo, pois o jogo ficou muito tempo parado, Liedson quase fez um gol de bicicleta, mas o arqueiro Tricolor defendeu e não tinha tempo para mais nada, 2x1 São Paulo, fim de jogo, fim de tabu e centésimo gol de Ceni.

Dentinho jogou mal e acabou expulso            ( Foto: site do Corinthians)

A verdade é que o clássico foi bom apenas no 2° tempo, com as duas equipes buscando a vitória. O torcedor corintiano sabe que seu time jogou muito mal e que pode render mais, só que o time de Tite precisa de reforços, pois depende muito de Liedson, e um meia será muito bem vindo já que Morais não é confiável e Bruno Cesar está de saída, para o Benfica de Portugal.
O Timão que caiu para a terceira posição do campeonato, volta a campo no próximo domingo contra o Botafogo em Ribeirão Preto.


FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 2 X 1 CORINTHIANS

Local:
Arena Barueri, em Barueri (SP)
Data: 27 de março de 2011, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima
Assistentes: Celso Barbosa de Oliveira e Carlos Alberto Funari
Assistentes adicionais: Luiz Flávio de Oliveira e Antônio Rogério Batista do Prado
Cartões amarelos: Dagoberto, Rogério Ceni, Junior Cesar, Ilsinho e Rhodolfo (São Paulo); Jorge Henrique (Corinthians)
Cartões vermelhos: Alessandro e Dentinho (Corinthians); Dagoberto (São Paulo)

GOLS: SÃO PAULO: Dagoberto, aos 39 minutos do primeiro tempo, e Rogério Ceni, aos oito minutos do segundo tempo; CORINTHIANS: Dentinho, aos 22 minutos do segundo tempo

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Rhodolfo, Alex Silva, Miranda e Junior Cesar; Rodrigo Souto (Casemiro), Jean, Carlinhos Paraíba, e Ilsinho (Marlos); Fernandinho (Rivaldo) e Dagoberto
Técnico: Paulo César Carpegiani

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos (Danilo); Ralf, Paulinho, Morais (Cachito Ramírez) e Jorge Henrique (Willian); Dentinho e Liedson
Técnico: Tite


postado por Felipe Fernandes

sexta-feira, 25 de março de 2011

São Paulo cai em Jundiaí e deixa a ponta

O São Paulo foi a Jundiaí enfrentar o Paulista, pela 15ª rodada do estadual. Antes de a bola rolar, a torcida tricolor já imaginava o que teria pela frente: não bastasse a boa campanha da equipe do interior, que deve se classificar à 2ª fase, o São Paulo ainda teve dois desfalques, o zagueiro Rhodolfo e o meia Lucas, substituídos por Xandão e Marlos, respectivamente.
O primeiro tempo foi grotesco, com shows de passases errados, finalizações bisonhas, mais um pênalti claro não marcado a favor do Tricolor (dessa vez, em cima de Fernandinho) e até falhas gritantes do Mito Rogério Ceni. E o Paulista foi para o intervalo vencendo por 2x0.
Marlos tenta passar pela marcação do Paulista (Globoesporte.com)
Veio o 2º tempo, e, por incrível que pareça, foi marcado um pênalti a favor do São Paulo, em cima de Ilsinho. Rogério Ceni bateu e marcou o 99º gol de sua carreira. Nada demais, afinal, trata-se de um jogador comum, na visão dos anti-tricolores. Mas de nada adiantou o pênalti convertido, pois, logo em seguida, o Paulista chegou ao seu 3º gol, em outra falha coletiva da defesa, incluindo Rogério. O Tricolor seguiu perdendo vários gols, até que conseguiu diminuir, com Dagoberto. Mas ficou nisso mesmo. A derrota de 3x2 derrubou o São Paulo da 1ª para a 3ª posição, quebrando uma série invicta de 8 jogos, sendo quatro vitórias seguidas. Após quatros partidas sem sofrer gols, levou três numa única noite.
Mas agora é momento para buscar reabilitação. E o momento não poderia ser mais propício: clássico contra o Corinthians, em Barueri, no domingo, seguido da partida de ida pela 2ª fase da Copa do Brasil, contra o Santa Cruz, no Recife.


Ficha técnica:
Paulista 3x2 São Paulo
Estádio: Dr. Jaime Cintra
Gols: Fabiano (PTA) a 1' e Weldinho (PTA), aos 36'/1ª T; Rogério Ceni (SP), aos 6', Vanderlei (PTA), aos 10' e Dagoberto (SP), aos 24'/2ºT.


Paulista: Felipe Alves; Eli Sabiá, Henrique e Rodrigo Sabiá; Weldinho, Fábio Gomes, Samuel Xavier (Baiano, 30'/2ºT), Diego Barboza e Marquinhos; Vanderlei (Mike) e Fabiano (Tutinha, 34'/2ºT).
T: Wagner Lopes

São Paulo: Rogério Ceni; Xandão, Alex Silva, Miranda (Junior Cesar, 43'/2ºT) e Juan (Henrique, 13'/2ºT); Casemiro (Ilsinho, 35'/1ºT), Jean, Carlinhos Paraíba e Marlos; Fernandinho e Dagoberto.
T: Paulo César Carpegiani



Postado por Éder Moura


quinta-feira, 24 de março de 2011

Corithians ganha fácil do Oeste e reassume a liderança do Paulistão

Na noite desta quarta-feira, em jogo pela décima quinta rodada do campeonato Paulista, o time do Corinthians bateu o Oeste de Itápolis por 3x0 no Pacaembu e reassumiu a liderança da competição com a ajuda do Paulista que ganhou do até então líder São Paulo por 3x2, em Jundiaí.
No Pacaembu, o novo líder passeou em campo e sem muito esforço venceu com tranquilidade. Contando com a volta de Jorge Henrique, com Dentinho participando ativamente do jogo e com o matador Liedson, o Coringão atropelou mais uma vítima no Paulo Machado de Carvalho.
Com o ataque se movimentando muito, o Timão dominou o jogo, mas mostrou mais uma vez que precisa acertar o último passe, aquele que deixa seus jogadores na cara do gol. O Timão transita bem da defesa para o ataque, sempre com velocidade mas peca nas trocas de passes próxima da área do adversário.
Na partida contra o Oeste, apesar do imenso volume de jogo, o Corinthians só criava chances em chutes de longa distãncia, apenas em um único lance, em rápido contra ataque que Morais tocou para Dentinho, que dominou e bateu de direita, raspando a trave, o time do Parque São Jorge criou uma oportunidade trabalhando a bola.
O gol saiu em uma cobrança de escanteio, em que Morais colocou a bola na cabeça de Paulinho que subiu sozinho e cabeceou forte, a bola bateu na trave caprichosamente e morreu no fundo do gol, 1x0 e só no primeiro tempo.

Paulinho aprova cruzamento de Morais no 1° gol do Timão (Foto: Keiny Andrade/ AE)

No segundo tempo, logo aos 4, Liedson recebeu de Dentinho, ganhou com o corpo a disputa com o zagueiro e mandou no canto esquerdo baixo do goleiro do Oeste, 2x0 e a partida já estava decidida. Aproveitando as falhas do time do interior o Corinthians ainda fez 3x0 com Dentinho e poderia ter feito mais, se Liedson, Bruno César e Ramirez aproveitassem as chances que apareceram. Mas a fiel já estava satisfeita e o Corinthians também, que só tocava a bola e se poupava para o clássico do próximo domingo com o São Paulo, na Arena Barueri, às 16:00, com transmissão para tv aberta em São Paulo.
O torcedor corintiano espera que o tabu se mantenha, já que fazem quatro anos que o time do Morumbi não ganha do Todo Poderoso, neste perído foram onze jogos, com sete vitórias e quatro empates. Outro aperitivo para o jogão é o fato do goleiro R. Ceni  marcar o centésimo gol na carreira, já que está com 99 gols marcados. O clássico promete, é esperar para ver.


FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 3 X 0 OESTE

Local
: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data: 23 de março de 2011, quarta-feira
Horário: 21h50 (de Brasília)
Árbitro: José Cláudio Rocha Filho
Assistentes: Marco Antonio Monteiro Bagatella e Mauro André de Freitas
Assistentes adicionais: Marcelo Rogério e Alessandro Darcie
Público: 8.600 pagantes
Renda: R$ 267.012,50
Cartões amarelos: Chicão e Cachito Ramírez (Corinthians); Dionísio, Cris e Alex William (Oeste)
Gols: CORINTHIANS: Paulinho, aos 34 minutos do primeiro tempo; Liedson, aos 4, e Dentinho, aos 28 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Morais (Cachito Ramírez) e Jorge Henrique (Bruno César); Dentinho e Liedson (Willian)
Técnico: Tite

OESTE: Fábio; Cris (Rafael Caldeira), Adriano Alves e Paulo Miranda; Léo Salino (Marino), Márcio Passos, Dionísio, Roger e Fernandinho; Anselmo Ramon (Alex William) e Fábio Santos
Técnico: Luís Carlos Martins




postado por Felipe Fernandes

Palmeiras passeia em Barueri, e 3x0 garante a vice liderança.

Kléber'30 e Lincoln: Esperanças do Palmeiras.

    O Palmeiras alcançou mais uma vitória no Campeonato Paulista. Desta vez, a vítima foi o modesto Linense, em jogo realizado na Arena Barueri. O time alviverde não teve qualquer dificuldade diante do time interiorano e a partida acabou por se tornar um passeio para o time de Palestra Itália. Ao olhar a escalação e ver Patrik no time titular, logo somos tomados pela idéia de que, o  jogo será  um suplício para o torcedor porém, desta vez, Patrik não tinha ao seu ado o brilhante Tinga, e sim um jogador experiente, que respira bom futebol, o meia Lincoln.
   O time paulista abriu o placar com um chute maravilhoso de Patrik no canto esquerdo do goleiro, depois de um passe de calcanhar de Lincoln. O segundo gol palmeirense veio de pênalti. Adriano MJ foi derrubado na área, e Kléber'30 não desperdiçou a chance, marcando seu décimo gol na temporada. O Palmeiras seguiu pressionando, e o terceiro gol não demorou a acontecer. Em mais uma jogada de Lincoln, o meia palmeirense, deixou seu companheiro Patrik na boa para fazer o terceiro gol, e consolidar a vitória do Palmeiras.
 Gostaria de fazer um breve comentário sobre a situação meia Lincoln no Palmeiras. A cúpula palmeirense, estuda uma forma de quitar a dívida de 1 milhão de euros que tem com o jogador, já que, em sua vinda do Galatasaray, o atleta pagou parte da multa do próprio bolso, com a promessa de que seria ressarcido, fato que ainda não ocorreu. O Felipão deixou claro de que pretende usar o atleta, já que no atual elenco palmeirense, existem poucos jogadores com a qualidade do camisa 99, que em certos momentos, faz uma tremenda falta. A diretoria pretendia negocia-lo para tentar reaver o dinheiro que deve ao jogador, só que ele não quer sair, e até agora nenhum clube demonstrou interesse no meia de 31 anos. No meio disso tudo, o técnico Luiz Felipe Scolari fica sem saber como agir, não sabe se escala o jogador, ou se deixa ele de fora até que algum clube apareça e faça uma proposta pelo jogador.
    

Postado por: Guilherme Henrique.

Santos vence o Mogi Mirim na Vila Belmiro, e Ganso abafa as vaias

                Ganso em uma bela atuação, evitando pressão da torcida(globo.com)

O Santos venceu o Mogi Mirim na vazia Vila Belmiro pelo placar de 3x1, e agora espera pelo técnico Muricy Ramalho.Paulo Henrique Ganso estava esperando uma grande pressão de sua própria torcida, já que o time visitante não tinha nem sequer um torcedor para acompanhar o Sapo, pelo fato de na última reunião com a diretoria santista, expressou o desejo de abandonar o clube que lhe deu projeção, mostrando que não tinha sequer qualquer interesse de um aumento salarial e sim de uma redução de sua multa para assim poder se transferir para o grande futebol europeu.

Para evitar qualquer manifestação da pequena mas exigente torcida alvinegra presente no estádio, tratou de jogar um bom futebol, aquele que o credenciou como estrela e o futuro camisa 10 da nossa seleção em 2014.


O Santos começou no ataque, e aos 3 minutos, Keirrison, recebe uma bola roubada no meio de campo, e tocou para Felipe Anderson, que finalizou forte no meio do gol, boa defesa do goleiro visitante.Aos 6 minutos, Ganso aparece pela primeira vez no jogo, ele faz um belo passe para Felipe Anderson, que finalizou forte e exigiu uma bela defesa do goleiro João Paulo, logo em seguida de novo um belo passe do camisa 10 que deixou Zé Eduardo de frente para o gol, que não perdoou 1x0.


Aos 40 minutos, Jonanthan fez um belo lançamento para Felipe Anderson que bateu por cobertura por cima do gol, sendo a última oportunidade de gol no primeiro tempo.

A imprensa não entendeu as vaias que eram escutadas na Vila Belmiro ao término da primeira etapa, pois de fato elas não eram para o time que estava fazendo um bom jogo, e sim para o Camisa 10 que está forçando uma saída do clube, sem necessidade.


O segundo tempo começou como o primeiro, com o Santos indo para o ataque e logo no início, Zé Eduardo toca a bola para Ganso, que tocou para o lateral Pará, que chutou forte, o goleiro espalmou e no rebote, Keirrison dominou e bateu no canto esquerdo de João Paulo, Santos 2x0, com 4 minutos de jogo.


Aos 15 minutos, Baraka foi o autor da primeira chance de gol do time visitante, ele recebeu a bola de Denilson, dominou e de fora da área chutou forte e o goleiro Rafael fez uma pela defesa, logo em seguida uma falta pelo lado esquerdo, Paulo Henrique cruzou na Cabeça de Edu Dracena, que tocou forte no meio do gol, mais uma bela defesa do goleiro do Mogi Mirim. Com 20 minutos de jogo, boa troca de passe do time santista, passando a bola por Ganso, Pará, Alan Patrick(que entrou no lugar de Felipe Anderson) e Keirrison que dominou e chutou forte na trave, quase o terceiro gol do peixe.

Aos 24 minutos, Denilson recebeu a bola pelo lado esquerdo, levou a bola para dentro da área e bateu direto para o gol, a bola passou perto demais do gol do time da Vila.Logo em seguida, Cristiano recebeu passe de Cleidson, invadiu a área e bateu no cantinho direito de Rafael, 2x1, e um jogo que estava nas mãos começava a ficar difícil para o peixe.


Mas a alegria durou pouco porque Ganso estava muito bem no jogo, ele cobrou falta com o famoso "chuveirinho", e o zagueiro Edu Dracena de cabeça tocou no canto oposto do goleiro João Paulo, Santos 3x1 e matando o jogo praticamente


O Santos criou mais uma chance de gol aos 37 minutos, quando Zé Eduardo recebeu passe de Alan Patrick, girou pelo marcação e bateu forte no meio do gol, uma defesa tranqüila do goleiro visitante sendo assim o último lance do jogo.

Fim de jogo e palmas para o time, e o Senhor Paulo Henrique Ganso, com uma Bela atuação, escapou dos xingamentos que estavam sendo preparados durante todo o dia pela torcida do Santos nas redes sociais. Agora resta esperar e ver como será o fim desta curta e dramática carreira de um jovem craque muito mal assessorado, e sem qualquer amor pela camisa que veste.

O próximo compromisso do Santão, será em Itú no Domingo, contra o Ituano ás 18:30, pela 16° rodada do Campeonato Paulista, já o time do Mogi Mirim, jogará em casa contra a Portuguesa no Sábado ás 18:30.
  
Santos
Rafael, Bruno Rodrigo, Edu Dracena, Durval; Jonathan (Crystian), Possebon, Felipe Anderson (Alan Patrick), Paulo Henrique Ganso e Pará; Zé Eduardo e Keirrison (Tiago Alves)
Técnico: Marcelo Martelotte


Mogi Mirim
João Paulo, Audálio, Tiago e Everton Dias; Niel, Baraka, Val, Paulo Isidoro (Ytalo) e Maisena (Cleidson); Roberto Jacaré (Cristiano) e Denílson
Técnico: Guto Ferreira.


Gols: Zé Eduardo, aos 6 do primeiro tempo; Keirrison, aos 2, Cristiano, aos 26, Edu Dracena, aos 29 minutos do segundo tempo

Cartões amarelos: Pará, Durval, Zé Eduardo (Santos), Val, Denilson (Mogi Mirim

Postado por: Guilherme Sernajoto

terça-feira, 22 de março de 2011

SÉRIE: "MEU JOGO ETERNO" : Palmeiras elimina o São Paulo, e vai a final do Campeonato Paulista de 2008.

Hoje quem está na série ''MEU JOGO ETERNO'', é o meu glorioso Palmeiras, tenho que ser justo comigo mesmo ao dizer que, nos últimos anos, o Palmeiras não carrega consigo um arsenal muito variado de jogos que ficaram na história, mais mesmo assim, se puxarmos um pouco pela memória, tenho certeza de que lembraremos de alguns momentos memoráveis para a torcida palestrina.
Um desses momentos que eu gostaria de retratar hoje, é a semi final do Campeonato Paulista de 2008. Quando o Palmeiras enfrentou o São Paulo. Lembro-me que na ocasião, o Palmeiras possuía a vantagem de decidir em casa, e que também tinha a vantagem do empate no resultado acumulado dos dois jogos, já que tinha feito melhor campanha na primeira fase.
No primeiro jogo daquela semi final, o São Paulo venceu por 2x1, dentro do Morumbi, com dois gols do imperador Adriano, um deles irregular, já o gol do Palmeiras foi marcado pelo sempre presente, explêndido atacante, Kléber''gladiador''. Esse gol, foi o tiro de esperança na  torcida, e no time palmeirense, que durante a semana ficou focado no segundo jogo, puxando agora pela memória, lembro que o clima de guerra estava instalado nos dois CT's da Barra Funda, e aquele jogo guardava uma surpresa especial para os torcedores palmeirenses, mais até então, ninguem poderia prever o desfecho daquele jogo.

Não alivia pra ninguém! GLADIADOR.

Diversas declarações durante a semana, jogadores que haviam sido criados no Morumbi, como Denilson e Kléber, demonstravam seu desprezo contra o tricolor , dizendo que o clube não respeitava e ainda menosprezava os adversários, e claro, na época era totalmente compreensível, o São Paulo vinha de duas conquistas seguidas no Campeonato Brasileiro, e o terceiro viria naquele mesmo ano de 2008, então São Paulo até tinha motivos para se achar superior ao Palmeiras naquele momento, MAS, no Palestra Itália, a conversa rolou diferente, e o São Paulo pipocou diante de um estádio lotado, e de um time explosivo, com sangue nos olhos, pronto para devorar quem aparecesse.
O jogo começou quente, e aos 22 minutos da primeira etapa, Léo Lima arriscou de fora da área, a bola balanço na frente do arqueiro Rogério Ceni, deixando-o tonto com a trajetória, o resultado da lambança todo mundo já sabe, GOL DO PALMEIRAS ,e falha do goleiro são paulino. O Palmeiras ali havia conseguido o gol que dava a classificação a final do Paulistão daquele ano, mais ainda era pouco, e o time do São Paulo era perigoso, contava com jogadores como Adriano,Hernanes Jorge Wagner, todos em ótima fase com a camisa tricolor, então o técnico Vanderlei Luxemburgo e sua equipe, sabiam que mais um gol era essencial para consolidar o resultado. Ao final do primeiro tempo, os dois times se encaminharam para o vestiário, e aí seu deu a polêmica que marcaria aquele jogo entre um dos melhores do clássico chamado de CHOQUE-REI. O São Paulo ficou menos de quinze minutos no vestiário, e voltou a campo dizendo que haviam jogado algum tipo de gás, provavelmente de pimenta, no recinto, dificultando a respiração e causando um enorme desconforto em todos presentes no local.
Rogério Ceni baleado pelo gás.


No segundo tempo, o São Paulo veio pra cima da equipe palestrina, mas enquanto Rogério Ceni mostrava uma insegurança anormal, Marcos se consagrou naquele jogo ao fechar o gol palmeirense , e segurar aquele 1x0 até os 37 minutos do segundo tempo.A situação do São Paulo piorou, quando o algoz de Kléber'30 foi expulso, André Dias levou o segundo cartão amarelo, e o arbitro Seneme não teve dúvidas em expulsar o zagueiro do tricolor paulista. O São Paulo partiu para o desespero, atacando de forma desordenada e inapropriada, enquanto o Palmeiras esperava a melhor chance para liquidar a fatura, e a chance veio para o jogador mais carismático e emblemático do Palmeiras. O lendário Wendel puxou o contra ataque para a equipe do Palmeiras pelo lado esquerdo, e de forma magistral, rolou a bolou para Valdivia, já dentro da grande área do São Paulo, o mágico, fabuloso, irreverente, Valdivia só teve o trabalho de empurrar a bola para dentro do gol, e terminar de sentenciar a derrota do tricolor paulista. Ao fazer o gol, o chileno colocou o dedo na boca, calando o sempre absoluto Rogério Ceni. 
Valdivia cala o goleiro são paulino. Verdão 2x0.


A partir dai, o São Paulo perdeu a cabeça e a classificação, até o sempre educado Rogério Ceni, desferiu um tapa contra o chileno, gerando irritação na equipe do Palmeiras e no técnico Luxemburgo. O volante Martinez ainda foi expulso, mais naquela altura meu amigo, o Palmeiras já estava com a vaga para a final na mão, e a torcida cantou e cantou até dizer chega, até a noite virar dia, porque eliminar o bicampeão brasileiro daquela forma, era algo memorável na história do clássico. O Palmeiras chegou a final, e conquistou o titulo daquele ano, humilhando a Ponte Preta com um resultado de 5x0 no segundo jogo.

GOLS:
PALMEIRAS: Léo Lima, aos 22 minutos do primeiro tempo, Valdívia, aos 39 minutos do segundo tempo

PALMEIRAS: Marcos; Élder Granja, Gustavo, Henrique e Leandro; Martinez, Léo Lima, Diego Souza (Wendel) e Valdívia; Kléber (Denílson) e Alex Mineiro (Lenny)
Técnico: Wanderley Luxemburgo
SÃO PAULO: Rogério Ceni; Alex Silva, André Dias e Miranda; Joílson (Sérgio Mota), Hernanes, Fábio Santos, Jorge Wagner e Júnior (Hugo); Dagoberto (Borges) e Adriano
Técnico: Muricy Ramalho




Postado por : Guillherme Henrique

segunda-feira, 21 de março de 2011

Vencer é o que importa!

O São Paulo foi a Presidente Prudente na noite deste domingo para enfrentar a equipe da casa. A princípio, parecia que seria fácil, pois tratava-se do encontro do líder contra o lanterna. Mas não foi, e muito por causa da fraca atuação tricolor, que não teve sua dupla de ataque titular (pelo menos até a chegada de Luís Fabiano). Fernandinho continua machucado e Dagoberto cumpriu suspensão. A linha de frente tricolor acabou sendo formada por Marlos e Willian José.
O primeiro tempo foi muito fraco. O máximo de perigo que o São Paulo conseguiu levar  foi de uma jogada individual de Marlos e de chutes de longe, mais para o final da etapa. Já o Grêmio Prudente, só não foi para o intervalo vencendo por causa de um gol incrível perdido pelo centroavante Eraldo.

Henrique entrou para dar mais uma vitória ao São Paulo (Globoesporte.com)
Veio o 2º tempo, e nada mudou. O São Paulo continuou jogando um futebol modorrento e sem imaginação. E ainda houve espaço para a não marcação de um pênalti claro em cima do lateral Juan, que só não foi assinalado porque o árbitro de linha de fundo (ou seja qual for o nome disso), disse não ter havido nada no lance, mesmo estando a poucos metros da jogada. Vendo que, do jeito que estava, o Tricolor ficaria mesmo no 0x0 (o que resultaria na perda da liderança), o técnico Paulo Cesar Carpegiani resolveu ousar, tirando o volante Casemiro, para a entrada do centroavante Henrique. E o garoto mostrou estrela. Aos 29 minutos, ele desceu em velocidade, tocou para Willian José, que devolveu na medida para o camisa 17 marcar: 1x0 São Paulo. Depois disso, a única coisa que a partida reservou foi mais um pênalti não marcado para o São Paulo. Se os dois penais tivessem sido assinalados pela arbitragem, provavelmente Presidente Prudente teria sido o palco do aguardado 100º gol de Rogério Ceni. Mas a vida continua. E sua continuação será na quarta-feira, contra o Paulista, em Jundiaí. Depois, tem clássico contra o Corinthians e 2ª fase da Copa do Brasil. O importante para o Tricolor neste momento é não se desgastar.

Grêmio Prudente: Márcio, Ângelo, Douglas, Ednei e Jadilson (Mateus); César Santiago (Adriano Silva), Anderson Pedra e Alex Maranhão e Rhayner; Saldanha e Eraldo (Léo).
T: Fábio Giuntini
São Paulo: Rogério Ceni; Rhodolfo Alex Silva e Miranda; Jean, Casemiro (Henrique), Carlinhos Paraíba e Lucas e Juan; Marlos e Willian José (Rodrigo Souto).
T: Paulo Cesar Carpegiani


Postado por Éder Moura