segunda-feira, 30 de maio de 2011

É só Libertadores; Santos perde para o Botafogo com time reserva no Engenhão.

Jogadores do Botafogo comemorando uma da poucas vitórias sobre o Santos(globoesporte.com)

Sem muita inspiração, o time do Santos perdeu para o Botafogo no estádio do Engenhão pelo placar de 1x0.

O jogo foi muito ruim com o fraco time carioca ditando o jogo e os reservas santistas sem muita inspiração e com a cabeça no Paraguai. Elkeson estava estreando pelo time botafoguense e mostrava muita vontade e também toda a sua qualidade que mostrou enquanto jogava pelo Vitória. No time peixeiro, apenas alan Patrick criava algo, o que era muito pouco para quem tinha apenas Tiago Alves, como parceiro de criação.

Com um time escalado com três volantes(Possebon, Pará e Charles), era óbvio que o time alvinegro praiano nunca conseguiria chegar com perigo ao gol adversário, deixando uma grande parede no meio de campo o que causava congestionamento para ambos os lados, pois os time da casa não tinha espaço para avançar e o time visitante para chegar ao ataque.

A única forma de fazer gol, seria em bolas paradas e foi assim que aconteceu aos 36 minutos do primeiro tempo, era escanteio para o Botafogo, na cobrança Maicosuel levanto para a área, a bola passou por todo mundo e sobrou para o zagueiro Fábio Ferreira que dominou e bateu forte no canto direito de Aranha, Botafogo 1x0, e uma pequena festa da pequena torcida do Botafogo que para variar nunca enche o estádio do Engenhão.

O segundo tempo viriam duas mudanças que mudariam a cara do jogo com as entradas de Rychely e Maicon Leite, no lugar de Alan Patrick e Tiago Alves, deixando assim o time com três atacante mas mesmo assim com três volantes, e com dois novos jogadores em campo e de fato muito rápidos, o time santista levou mais perigo para o gol botafoguense mas de fato teve apenas uma grande chance que ocorreu aos 41 minutos com Maicon Leite que recebeu uma bola dentro da área e de primeira bateu para o gol, a bola passou muito perto, e foi isso final de jogo, Botafogo vence a partida e conquistou os seus primeiro pontos, já o Santos teve a sua primeira derrota sobre o comando de treinador Muricy Ramalho, a primeira dos 14 jogos com o técnico santista.

Postado por: Guilherme Sernajoto
Jefferson, Alessandro, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês; Lucas Zen, Marcelo Mattos, Everton (Cidinho) e Maicosuel; Elkeson (Thiago Galhardo) e Alex (Caio).Aranha, Bruno Aguiar, Vinícius e Bruno Rodrigo; Pará, Possebon, Charles (Roger Gaúcho), Alan Patrick (Rychely) e Alex Sandro; Tiago Alves (Maikon Leite) e Keirrison.
Técnico: Caio Júnior.Técnico: Muricy Ramalho.
Gols: Fábio Ferreira, aos 36 minutos do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Thiago Galhardo (Botafogo); Alex Sandro, Bruno Rodrigo, Vinícius (Santos).
Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ). Data: 28/05/2011. Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa/PR). Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa/PR) e Alessandro Rocha de Matos (Fifa/BA). Público: 6.222 pagantes (8.662 presentes). Renda: R$ 143.110,00.


domingo, 29 de maio de 2011

No apagar das luzes, sonolento São Paulo vence a segunda

  Não foi uma atuação brilhante. Muito pelo contrário. A temperatura baixa, o público fraco e o horário indigesto foram coroados por uma partida tediosa. Como já é rotina há um bom tempo, o São Paulo fez uma partida muito fraca, escancarando cada vez mais suas deficiências. Ainda assim, conseguiu vencer o Figueirense, no Morumbi, graça a um gol de Lucas, no último lance da partida.
  Com a saída de Alex Silva e sem Miranda, que talvez nem volte a jogar pelo São Paulo, antes de seguir para o Atletico de Madrid, ao final do mês de junho, o técnico Paulo César Carpegiani teve trabalho para montar a zaga tricolor. Optou por mudar para o 4-4-2, deixando Rhodolfo e Xandão formando a dupla de zaga.

Como todo o time, Dagoberto teve atuação apagada. (Vipcomm)


  Não há muito o que falar do jogo. Como já foi dito, foi muito fraco tecnicamente. Ao longo de toda a partida, o São Paulo mostrou pouquíssima inspiração, deixando bem claro que aqueles que não consideram a equipe como uma das favoritas ao título não são pessimistas ou corneteiros, tampouco "anti-tricolores". O Tricolor hoje definitivamente não tem bala na agulha para brigar pela taça. E digo mais: se não houver melhoras profundas no elenco, nem vaga na Libertadores vislumbro.
  Mas nem tudo são críticas. Vale ressaltar a boa estreia do lateral-esquerdo Henrique Miranda. Destaque tricolor na Copa São Paulo deste ano (na qual a equipe não foi bem), o garoto demonstrou muita personalidade. Tendo em vista a falta de qualidade no setor, no qual Júnior César foi embora e Juan não consegue conquistar a confiança de um são-paulino sequer, não duvido que, em pouco tempo, teremos mais uma revelação de Cotia entre os titulares do Morumbi. Parece que, finalmente, o São Paulo começou a colocar em prática o tão falado discurso de valorizar a base. Só não pode se esquecer de que a garotada só terá futuro se ganhar títulos. É a realidade inexorável num clube do porte do São Paulo. Mas, para isso, é preciso trazer gente com mais experiência, para dar uma necessária mesclada. Rogério Ceni, Rivaldo e Luís Fabiano ajudam muito nesse quesito, mas é preciso mais.

Ficha técnica:
São Paulo 1x0 Figueirense
Estádio: Morumbi (São Paulo)
Público: 10 149 presentes (9 931 pagantes)
Gol: Lucas, aos 47'/2ºT.

São Paulo: Rogério Ceni; Jean, Rhodolfo, Xandão e Juan (Henrique Miranda, no intervalo); Wellington, Carlinhos (Marlos, 19'/2ºT), Casemiro e Lucas; Fernandinho (Rivaldo, no intervalo) e Dagoberto
T: Paulo César Carpegiani

Figueirense: Wilson; Bruno, João Paulo, Edson Silva e Juninho; Ygor, Tulio (Pittoni, 32'/2ºT), Maicon e Wellinton Nem (Coutinho, 11'/2ºT); Aloisio (Rhayner, 11'/2ºT) e Reinaldo
 T: Jorginho

Postado por Éder Moura 


No sufoco Corinthians vence Coritiba

Pela 2° rodada do Brasileirão, em Araraquara, Corinthians vence o Coritiba por 2x1 e mantém os 100% de aproveitamento no campeonato. Mesmo jogando mal e com a arbitragem errando em dois lances absurdos contra o Timão, a vitória deixa o alvinegro na liderança com outras equipes.
O jogo foi em Araraquara por que o Corinthians cumpria pena de um jogo por confusão como mandante em jogo no campeonato passado, além disso o Corinthians jogava com o novo uniforme, o 3° na cor grená em homenagem ao time do Torino, que sofreu uma tragédia em 1949, quando em viajem  ao exterior o avião do time caiu, matando vários jogadores do time italiano.

Danilo fez o gol da vitória, com o novo uniforme grená   (Foto:AE)
A partida começou com o mandante marcando em cima o time alviverde, com vontade e disposição o coringão pressionava e logo aos 2 minutos, jogada pelo lado esquerdo, Fábio Santos tocou para William que não consegui tocar para o gol, Liedson ainda tentou, mas a zaga afastou. Aos 4 nova jogada pela esquerda, a defesa cortou parcialmente, Paulinho recebeu tabelou com William, dominou no peito e mandou no cantinho, golaço e 1x0 Timão. Paulinho teve outra oportunidade aos 11, em rápido contra-ataque William foi travado e o volante bateu fraco nas mãos do goleiro. A partir daí, o jogo esfriou sendo disputado no meio de campo e com os jogadores do ataque alvinegro querendo resolver sozinhos, Liedson e William preferiam arriscar de longe a tocar a bola para os companheiros.
O Coritiba só chegou ao ataque aos 22, Éverton Ribeiro chegou à linha de fundo, rolou para trás e Geraldo, bom jogador e o mais perigoso do Coritiba, cruzou para área, a bola cairia dentro do gol, mas Julio César se esticou e salvou o Corinthians. Aos 41, Paulinho recebeu e foi derrubado por trás, pênalti claro não marcado. Morais ainda teve uma chance ao arriscar de longe em chute perigoso que o goleiro mandou para escanteio.
No 2° tempo, logo aos 2 minutos Alessandro sofreu distensão e saiu para entrada de Moradei. O Coritiba melhorou e o Corinthians caiu de produção, passando a errar muitos passes e a afrouxar a marcação. Chicão bateu falta perigosa aos 9, mas o goleiro defendeu. Aos 17, Leonardo completamente impedido empatou, após cobrança de falta, a bola foi alçada na área, um jogador do time paranaense cabeceou e o atacante Leonardo estava na frente da linha da bola que só empurrou para o fundo da rede, 2x1 para o Corinthians.
Tite colocou Jorge Henrique em campo, tirando William e deixando Danilo em campo que jogava mal e errava muitos passes, a torcida reclamou e vaiou a substituição. Aos 30 a bola rondou toda a área paranaense e nenhum pé corinthiano apareceu para desempatar o jogo. Aos 34, Jorge Henrique levantou para área, Liedson resvalou e Danilo apareceu de carrinho e fez a torcida explodir na Fonte Luminosa. Aos 43, Anderson Aquino mandou uma bomba de fora da área que balançou a trave de Julio César, no rebote William bateu e Julio defendeu. O Corinthians segurou  tocando a bola e deixando o tempo passar. Um fato isolado que deve ser mencionado é que três torcedores corinthianos invadiram o campo, o que pode causar nova punição ao Timão. No fim o placar se manteve e nova vitória corinthiana por 2x1. Agora o Timão treina na semana e pega o Flamengo no Engenhão no próximo domingo  às 16:00.
FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 2 X 1 CORITIBA

Local
: Arena Fonte Luminosa, em Araraquara (SP)
Data: 29 de maio de 2011, sábado
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)
Assistentes: Guilherme Dias Camilo e Jair Albano Felix (ambos de MG)
Cartões amarelos: Chicão (Corinthians); Maranhão (Coritiba)
Gols: CORINTHIANS: Paulinho, aos 4 minutos do primeiro tempo, e Danilo, aos 34 minutos do segundo tempo; CORITIBA: Leonardo, aos 27 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro (Moradei), Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Morais (Edno) e Danilo; Willian (Jorge Henrique) e Liedson
Técnico: Tite

CORITIBA: Vanderlei; Maranhão (Jonas), Cleiton, Jeci e Lucas Mendes; Djair, Marcos Paulo, Everton Ribeiro (Anderson Aquino), Geraldo e Everton Costa (Willian Leandro); Leonardo
Técnico: Marcelo Oliveira
postado por Felipe Fernandes

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Libertadores é assim; Santos vence o Cerro Porteño e está a um empate da final



                                 Edu Dracena após o gol, muita festa no Pacaembu(santosfc.com.br)


O Santos venceu o Cerro Porteño no estádio do Pacaembu pelo placar de 1x0, e está a um empata da então sonhada final de Copa Libertadores da América.


Foi uma partida típica de Libertadores, com muita catimba, árbitro contra o time brasileiro e muita chances perdidas. O que decepcionou foi que o estádio não estava lotado, haviam espaços vazios principalmente na arquibancada lilás e também na cadeira coberta, mas isso não foi suficiente para atrapalhar a festa santista, que teve sua torcida cantando o tempo todo, apoiando sua equipe os 90 minutos sem parar.


O jogo começou muito nervoso, com os times tocando bola e fazendo muitas faltas, mas nada de bola no gol, apenas pancada para cá e para lá. Neymar estava muito bem marcado mais isso não é nada para o craque santista, que sempre se utilizava de novas táticas para passar pela marcação paraguaia e criava as oportunidades de gol.


O time paraguaio também tinha um belo jogador seu nome é Fabbro, e ele foi o principal articulador de sua equipe dando um bom traalho para a zaga durval e Edu Dracena que mais uma vez desde a chegada do mestre Muricy, cresceram defensivamente e taticamente, dando estabiliadade para o time. Elano estava apaguado mais uma vez em jogos pelo Santos, mas que sua importância é grande isso é. o trio Arouca, Danilo e Adriano, pareciam uma orquestra com uma intensa harmonia tanto na defesa quanto no ataque. As verdadeiras baixas na equipe foram o laterla Pará que não fez uma bela atuação e o atacante Zé Eduardo, que se aprofunda numa intensa crise, tanto que a torcida não tem mais aquela paciência de antes e agora promete pegar no pé do atacante que está de saída para o futebol italiano.


Mas vamos falar da chances de gol na partida; a primeira chance aconteceu bem no começo, após roubada de bola na defesa, Neymar puxou o contra-ataque e deixou Léo  de frente para o gol que desperdiçou a primeira chance do jogo. Neymar estava endiabrado e depois de dois chápeis incriveis, sofreu a falta, e na cobrança Elano bateu forte e a bola passou perto do gol do Cerro.
                           Neymar deu show e mostrou que o Pacaembu é a sua casa(santosfc.com.br)


As chances eram criadas pelo peixe e mesmo com Neymar marcado, o time conseguia chegar no gol adversário como na jogada de ?Durval que cruzou para Danil que bateu no alto. Isso preocupava a massa alvinegra que estava preocupada com as chances perdidas e temia uma resposta com gol, como no escantei que após um desvio o zagueiro Benites quase marcou para o time visitante, mas aos 43 minutos, o sufoco santista teria fim, o gênio, craque Neymar, driblou 5 marcadores porteños e cruzou na media para Edu Dracena marcar, Santos 1x0 e muita festa no Pacaembu, após tanto sufoco, enfim vinha a recompensa para o time santista.


O Pacaembu estava em festa, o hino santista era cantado com muita emoção pelo estádio inteiro,  mostrando toda a piaxão do torcedor pelo seu clube. após o gol, o Cerro respondeu rápido, bola na área e quase que barreto empatou o jogo logo em seguida.


O segundo tempo seria mais morno em relação ao primeiro. Por estar atrás no placar, era evidente que o time do Paraguai, iria ao ataque, e foi, só que sem brilho apenas bola de um lado para o outro sem muitas dificuldades para a defesa e nem para Rafael que no jogo todo só fez uma defesa que aliás tinha sido clara de gol. 


O Santos se aproveitava dessa avanço no campo do Cerro, e criava mais e mais chances de gol que iam gradativamente sendo desperdiçadas por seus jogadores e o gênio Neymar, cansado apenas caminhu na segunda etapa, como que se estivesse guardando o famoso gá para as jogadas que fosse necessária sua individualidade. Zé Eduardo criticado, saiu de campo e enquanto muito vaivam o jogador, as organizadas cantavam seu nome como gesto de apoio a aquele que nao vive um momento agradável. 


Com a entrada de Maicon Leite no fim do jogo e também de Alex Sandro(sairam Zé e Léo), o time teve as principais oportunidade de gol do segundo tempo, primeiro com Maicon Leite que na primeira bola cruzada por Alex Sandro, cabeceou para fora do gol, já na segunda, o mesmo puxou o contra-ataque e deixou para Arouca que dominou esperou sua passagem e deixou de frente para o gol, mas o atacante perdeu o gol.


Quando tudo parecia acabado viria o lance que deixaria o torcedor santista preocupado, mas não era gol do Cerro e sim um gol claramente perdido. Como eu havia falado, Neymar estava se guardando para quando fosse muito importante sua chgada ao ataque e isso aconteceu no último lance do jogo, o  atcante partiu para a marcação de três adversários, passou e cruzou pra Alan Patrick que na marca do Pênalti, sozinho, perdeu um gol fácil, chutando em cima do goleiro paraguaio que comemorou como se fosse um gol, afinal o resultado de 1x0 para o Santos, pode ser muito bem desfeito pelos paraguaios por jogarem em casa.


Agora o Santos joga por um empate ou uma derrota com um gol de diferença desde que marque gols, para assim chegar a final da Taça Libertadores da América depois de 8 anos para assim conquistar a América pela terceira vez.


Postado por: Guilherme Sernajoto

Rafael, Pará, Edu Dracena, Durval e Léo (Alex Sandro); Adriano, Arouca, Danilo e Elano (Alan Patrick); Neymar e Zé Eduardo (Maikon Leite)Barreto, Piris, Uglesich, Pedro Benítez e César Benítez; Cáceres, Júlio dos Santos, Villareal (Burgos) e Ivan Torres (Nuñes); Fabbro e Bareiro (Nanni)
Técnico: Muricy RamalhoTécnico: Leonardo Astrada
Gols: Edu Dracena, aos 43 minutos do primeiro tempo;
Cartões amarelos: Villareal, Cáceres, Ivan Torres, Nanni (Cerro Porteño), Arouca, Neymar (Santos)
Local: Pacaembu. Data: 25/5/2011. Árbitro: Jorge Larrionda (URU). Auxiliares: Pablo Fandiño (URU) e William Casavieja (URU). Público e renda: 31.434 pagantes/R$ 1.286.140,00






quarta-feira, 25 de maio de 2011

Meu Jogo Eterno: Dia 04/06/2000: O dia em que Euller se engasgou com o anzou!!!

                                 Últimos minutos de um jogo eterno(acervosantista.com.br)

O Campeonato Paulista de Futebol de 2000 teve o São Paulo como campeão e França, também do São Paulo, como artilheiro, com 18 gols. O vice-campeão foi o Santos.
O torneio teve dezessete participantes pois o América foi rebaixado para a Série A-2 após a primeira fase, sendo substituído na segunda fase pelo Botafogo, campeão do primeiro turno da Série A2. Curiosamente, o Botafogo bateu nessa final o São José e na fase anterior o Ituano, os dois clubes que haviam sido rebaixados à Série A2 em 1999. Se um deles tivesse sido campeão da fase, disputariam a primeira divisão do Campeonato Paulista no ano seguinte ao seu rebaixamento.
Fonte:Wikipédia

O Santos já estava há 16 anos longe de uma decisão de Campeonato Paulista. Mas, em 2000, o Peixe conseguiu chegar a uma decisão em uma disputa emocionante com o Palmeiras de Felipão. O primeiro jogo da semi-final havia terminado empatado em 0 x 0. O Palmeiras tinha a vantagem do empate pela melhor campanha na primeira fase. Como o Palmeiras estava na disputa da Libertadores contra o Corinthians, a expectativa de todos era que Felipão entrasse com o time misto, como fizera no primeiro jogo. Mas ele surpreendeu e escalou o time principal.
Fonte: Clássico é Clássico

Era um domingo de manhã, mas precisamente 11 horas, ou seja, muito cedo e tínhamos no Morumbi um público maravilhoso. De um lado um grande time que um ano antes, havia conquistado a América, e do outro lado um time que tinha fome de títulos para sua grande e apaixonada torcida. Era Palmeiras e Santos o jogo, que buscavam a oportunidade de uma classificação para a grande final onde enfrentariam o também grande São Paulo Futebol Clube.


Um empate, classificava o Palmeiras, então era obrigação do Santos vencer ou vencer, para chegar a uma final de Campeonato Paulista depois de 16 anos, e com isso era esperado um grande jogo, com Alex,  Arce, Paulo Nunes, Oséias,entre outros pelo lado palmeirense e do lado alvinegro, apenas Dodô como grande estrela mas também com jogadores de qualidade como Anderson Lima, Narciso, Baiano, e Caio(atualmente comentarista da rede globo).


A diferença das duas equipes era evidente e isso foi sendo mostrado aos poucos durante a partida, onde o Palmeiras pressionou o tempo todo,até que aos 33 minutos, falta para o Palmeiras, Rogério levanta para a área e o grande zagueiro e ex santista Argel cabeceou no ângulo direito de Fábio Costa, Palmeiras 1x0 em muita festa da torcida alviverde. 


Para o peixe, teria de virar o jogo para assim garantir a vaga, e começou a pressionar o adversário, e as chances foram acontecendo mas, os espaços na defesa também e o time palmeirense sabia disso, e com o ataque criando mas não sendo eficiente, a segunda etapa reservaria grandes emoções para toda a nação santista, com as entradas do criticado Dodô e de Eduardo Marques (que depois teria um boa passagem pelo Atlético Mineiro), feitas pelo então técnico Giba mas, o segundo tempo começaria melhor para o lado verde, aos 8 minutos, Lançamento de Rogério para Euler para dentro da área, o camisa 9 furou mas mesmo assim tocou na bola que foi para o outro lado da área santista, p goleiro Fábio costa, saiu mal na dividida com Pena, a jogada sobrou para Rogério que cruzou mais uma vez para o gol santista e assim apareceu o matador Euler para ampliar o placar, Palmeiras 2x0, e na comemoração, o atacante fez gestos de que estava pescando o peixe, ou seja, provocando a torcida santista e toda a equipe do Santos que agora precisaria de três gols para se classificar em apenas 40 minutos, o que para um clássico é muito mas muito difícil.


Este segundo gol apenas aumentou a raça santista que se motivaram por essa provação e assim o porco, torceria o rabo, e aos 23 minutos, a torcida santista iria manter suas esperanças com o primeiro gol do peixão, marcado por Eduardo Marques que, depois de uma linda pedalada para cima de junior, ajeitou para perna esquerda e fuzilou no ângulo direito de Marcos, Santos 1x2 Palmeiras, e a torcida começou a se agitar e cantar a música que hoje é copiada pelos palmeirenses " Santos o time da virada, Santos o time do amor", e isso fez com o time tirasse aquele famoso gás extra para fazer o que para muitos, foi uma das mais fantásticas viradas em um clássico no futebol paulista e, aos 33 minutos, escateio para o peixe, na cobrança Robert cruzou para Anderson Luis, que subiu uns dois metros, para empatar o jogo com uma linda cabeçada, também no ângulo, Santos 2x2 Palmeiras, um resultado que ainda favorecia o alviverde.


A pressão que já era grande, ficaria enorme após o gol e o time do Palmeiras, estava atordoado com as pancadas que levara do alvinegro praiano, pois o jogo e o clima eram todos favoravéis para a virada heróica, arrepia só de falar de como foi gostoso os últimos minutos do jogo, era impressionante ver um time que nos primeiros 45 minutos, foi medíocre e nos últimos 45, um gigante que jamais seria batido pelo adver´sario daquela manhã, e os últimos lances da partida, seriam de chutão para afastar a bola pelo lado palestrino, e de muita raça e amor ao manto sagrado por parte do glorioso alvinegro praiano. 


O clima era tenso, Pena e anderson Luis, discutiam o tempo todo, os jogadores estavam com os nervos a flor da pele, mas a diferença entre ambos era a vontade e isso os guerreiros santista tinham de sobra além do mais após empatar uma partida dificílima como essa, o jeio era um atacar e ou outro contra-atacar e foi assim esses minutos, a pressão uma hora iria resultar em gol e foi assim que aconteceu, assim como era dramático o jogo.


A virada seria e aos 45 minutos, Rubens Cardoso chutou para o gol, Nenem desviou para escanteio, na cobrança de Robert, a bola passou por todo mundo e sobrou para Deivid, que escorregou mas mesmo assim tocou para Eduardo Marques, que disparou um bomba, Marcos defendeu, na sobra Robert levantou, e Claudiomiro e Marcos dividiram, a bola sobrou limpa limpa e em condição legal para Dodô empurrar para o gol vazio, eu fico emocionado e arrepiado de narrar este lance, pois essas palavra são poucas para definir a emoção e raça do terciero gol santista, Santos 3x2 e o Morumbi era naquela manhã, o Alçapão o mar santista,, os torcedores do Palmeiras, não acreditavam no que viam, era impressionante a virada do Santos, e os jogadores também não acreditaram, era impressionante a virada do peixe.


Dodô fez sinais para a torcida palmeirense calar a boca, e Euller, se engasgar com o anzou que havia lançado ao mar santista, e assim restariam três minutos para o fim daquele épico jogo, o time palestrino, buscava forças para jogar, pois o seu torcedor não tinha mais para torcer, apenas ficavam olhando perplexos para o campo, e aos 48 minutos, o juíz Paulo Cesár de Oliveira apitou o final do jogo, final de um jogo que para min e para os milhares de santista no mundo foi e sempre será um jogo eterno.


Postado por: Guilherme Sernajoto


SANTOS (SP) 3 X 2 PALMEIRAS (SP)
Data: 04/06/2000
Campeonato Paulista / Semifinal
Local: Estádio do Morumbi
Árbitro: Paulo César de Oliveira e Ilson O. dos Santos
Gols: Argel 33/1º; Euller 08, Eduardo Marques 23, Anderson Luis 33 e Dodô 45/2º
PALMEIRAS: Marcos; Neném, Argel, Roque Júnior e Júnior; Galeano, Fernando, Rogério (Tadei) e Pena; Euller (Tiago) e Asprilla (Marcelo Ramos) / Técnico: Felipão.
SANTOS: Fábio Costa; Baiano (Eduardo Marques), André Luis, Claudiomiro e Rubens Cardoso; Preto, Anderson Luis, Robert e Valdo; Caio (Deivid) e Valdir (Dodô) / Técnico: Giba.



segunda-feira, 23 de maio de 2011

Apesar dos problemas, São Paulo começa bem no Rio

  A expectativa dos são-paulinos não era das melhores. Após duas eliminações seguidas, a demissão e readmissão de Paulo César Carpegiani e as desavenças entre o treinador e o meia Rivaldo, o São Paulo iria estreiar no Campeonato Brasileiro. O adversário seria nada menos que o atual campeão, o Fluminense, e logo no Rio de Janeiro.
  Devido ao show do grande Paul McCartney (que, curiosamente, já havia tirado do Morumbi o duelo entre as duas equipes no ano passado) a partida desse domingo não pôde ser realizada no Engenhão, estádio onde o Flu mandará seu jogos no Brasileiro. O local escolhido, então, foi a casa vascaína, São Januário, onde o São Paulo não perde há quase seis anos.

Wellington anulou Conca e foi um dos destaques. (Vipcomm)

E o estádio parece ter dado sorte à equipe paulista. Mesmo sem contar com ninguém da zaga titular, além do atacante Fernandinho, outra vez de molho no Reffis, o Tricolor fez grande partida e venceu com surpreendente facilidade.
  No 1º tempo, só o São Paulo jogou. Embora não massacrasse o adversário, dominava a partida e tomava a iniciativa. Já o Fluminense, nem parecia ser o mandante, acuado no campo de defesa o tempo todo. Jogando na base da paciência, aos poucos o São Paulo foi criando suas oportunidades. Até que, aos 33 minutos, Lucas tocou para Casemiro, que deu grande passe para Dagoberto, que bateu com firmeza e abriu o placar: 1x0 São Paulo.
  Logo no começo do 2º tempo, o Tricolor paulista ampliou o marcador. Aos 3 minutos, Lucas enfileirou toda a defesa do Tricolor carioca e fuzilou o gol de Ricardo Berna, marcando um lindo gol: 2x0. Na sequência, Lucas quase fez mais um, mas a bola caprichosamente ficou na trave.
  No mais, o que chamou atenção foi um fato raro: sentindo dores no tornozelo esquerdo desde o 1º tempo (mesmo tornozelo que operou em 2009), o capitão Rogério Ceni deixou o campo, após inacreditáveis 8.786 minutos seguidos, um total de nada menos que 98 partidas. Como não foi constada nenhuma lesão, deverá completar os 100 jogos seguidos pelo Tricolor. De qualquer forma, foi uma boa oportunidade para Dênis entrar em campo. Vale lembrar que o goleiro não jogava desde 2009, exatamente durante a recuperação de Ceni (na última vez que o Mito não jogou, no empate em 1x1 contra o Mirassol, pela 2ª rodada do Paulista 2010, foi Bosco quem entrou em campo). Outra volta bastante comemorada foi a de Bruno Uvini, que finalmente pôde estrear nos profissionais, após longo período de recuperação de uma lesão, ainda no Sul-Americano Sub-20, em janeiro. Rivaldo, que se sentou fora do banco, para não ficar perto de Carpegiani, também entrou.
  E o jogo seguiu nisso. O São Paulo ainda teve boas oportunidades para transformar a vitória em goleada, mas, levando-se em conta todo o clima que rondava o Morumbi antes da estreia no Campeonato Brasileiro, seria loucura alguém reclamar dos 2x0.

Ficha técnica:
Fluminense 0x2 São Paulo
Estádio: São Januário (Rio de Janeiro)
Gols: Dagoberto, aos 33'/1ºT; Lucas, aos 3'/2ºT

Fluminense: Ricardo Berna, Mariano, Gum, Leandro Euzébio e Julio Cesar (Carlinhos, 19'/2ºT); Edinho, Diogo (Willians, 32'/2ºT), Deco (Souza, 19'/2ºT) e Conca; Rodriguinho e Rafael Moura 
T: Enderson Moreira

São Paulo: Rogério Ceni (Denis, 11'/2ºT); Jean, Xandão, Luiz Eduardo (Bruno Uvini, 26'/2ºT) e Juan; Rodrigo Souto, Wellington, Casemiro (Rivaldo, 39'/2ºT), Carlinhos Paraíba e Lucas; Dagoberto 
T: Paulo César Carpegiani

Postado por Éder Moura

Começar com o pé esquerdo faz bem?

(Foto: César Greco: Agência Estado)


  O Palmeiras estreiou com o pé direito no Brasileirão 2011, vencendo o Botafogo-RJ, no estádio Teixeirão, em São José do Rio Preto. O time teve vários desfalques, por isso, a preocupação com a escalação tomou conta do clube. Valdivia, Cicinho, Rivaldo, W.Paulista, não poderiam entrar em campo, ou seja, o time que entrou em campo não seria nem de longe o ideal, e se pensarmos que o time ideal, na verdade é mediano, qualquer torcedor palmeirense pensou no empate, ou até mesmo derrota como resultado da partida. Kléber'30.
   Como já era de se esperar, na primeira etapa o Palmeiras pouco criou, se mostrou um time apático e previsível, ou seja, as características que o time apresenta desde o começo do ano. No segundo tempo o técnico Felipão trocou o meia Tinga, pelo jovem Patrik, e aí sím, o time conseguiu criar mais oportunidades de gol, e até mesmo Luan, tentou e conseguiu achar espaços dentro de campo para finalizar à gol, mas como sempre, pecou nas chances que teve. O Palmeiras martelou demais o time do Botafogo, jogava de forma envolvente, muito melhor que o time carioca, no entanto o gol não saía.
   O atacante Kleber'30 completava 102 jogos pela equipe palmeirense e estava sendo homenageado no dia, ou seja, o gol não poderia sair dos pés de outra pessoa. Aos 19 minutos da segunda etapa, Kléber recebeu na entrada da área, deu um drible desconsertante em Antônio Carlos e bateu forte no angulo direito bom goleiro Jefferson. O jogo foi definido para a equipe palmeirense, pelo grande ídolo alviverde na atualidade.
   O Palmeiras seguiu pressionando, criou mais algumas oportunidades, mas não conseguiu ampliar o placar, que no final, satisfez os torcedores e o técninco Luiz Felipe Scolari.
    Uma vitória sempre é bem vinda, mais não dá pra esconder a fragilidade do plantel em questão, situação evidente, quando jogadores como Patrik e Rivaldo se tornam essênciais à uma equipe da grandeza do Palmeiras. Apesar de tudo, o Palmeiras consegiu a vitória e isso é o mais importante nesse início de competição.




Postado por: Guilherme Henrique.



Com reservas, Santos empata com Internacional pela abertura do brasileirão

                Tiago Alves, promessa santista deu trabalho para Guiñazu(santosfc.com.br)

Sem grandes emoções, é assim que podemos definir Santos e Internacional, que empataram na Vila Belmiro pelo placar de 1x1 com gols de Keirrison para o Santos aos 28 minutos e Zé Roberto, para o Internacional aos 34, tudo na primeira etapa.

O jogo foi muito morno com a equipe mandante sem muitas forças, até porque de fato o time que estava em campo não tem entrosamento e não contava com nenhum titular. Os primeiros minutos foram de bastante estudo, com os garotos da vila se encaixando em campo e buscando espaços para criar as jogadas, principalmente com a dupla Tiago alves e Felipe Anderson que com 18 anos apenas cada, mostraram qualidade e serviço para o professor Muricy.


A torcida santista compareceu em pequeno número no estádio Urbano Caldeira, sendo cerca de 5 mil pessoas que lutaram contra o frio e o péssimo jogo apresnetado por ambos os times.


Aos 34 minutos, Tiago Alves fez uma bela jogada e sofreu o pênalti, que foi convertido por Keirrison, Santos 1x0. Era o time reserva contra jogadores titulares do colorado como Bolivar, Renan, Guinãzu e Leandro Damião. Mas o colorado não desistiu e mostrou que era naquela noite fria, melhor que o Santos e aos 34 minutos, Leandro Damião fez uma bela jogada pela direita, driblou Rodrigo Possebom e cruzou rasteiro para Zé Roberto que de primeira marcou um belo gol, Santos 1x1 Internacional.


A segunda etapa seria uma partida de apenas uma equipe, com o Santos sofrendo uma grande pressão do colorado, principalmente com Leandro Damião, o camisa 9 deu bastante trabalho e fez o goleiro reserva Aranha trabalhar um pouco, e com a saída de tiago Alves machucado, o Santos ficou sem forças ofensivas e utilizando o estilo de jogo mais ridículo, na base do chutão deixando todo o espaço para o time gaúcho criar perigo.


Mas o tempo foi passando e nada de gol nem para um, tanto para outro, mas esse resultado estava bom para ambas as equipes, pois mesmo com um time reserva e inferior, o Santos ficou no lucro contra o time forte e titular do Internacional, que também gostou do resultado, afinal ganahr do Santos na Vila Belmiro é algo impossível e por isso o resultado de 1x1 foi de bom tamanho.

Postado por: Guilherme Sernajoto
Aranha, Bruno Aguiar, Bruno Rodrigo e Vinícius; Pará, Charles, Possebon (Anderson Carvalho), Felipe Anderson e Alex Sandro; Keirrison, Tiago Alves (Rychely) Renan, Daniel, Bolívar, Juan e Kleber; Guiñazu, Bolatti (Fabrício), Tinga e Oscar (Cavenaghi); Zé Roberto (Ricardo Goulart) e Leandro Damião.
Técnico: Marcelo Martelotte (interino) Técnico: Falcão
Gols: Keirrison, aos 28, Zé Roberto, aos 34 minutos do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Charles, Bruno Aguiar (Santos), Bolatti, Daniel (Inter)
Local: Vila Belmiro. Data: 21/5/2011. Árbitro: Sandro Meira Ricci. Auxiliares: Marrubson Melo Freitas e Carlos Emanuel Manzolillo. Público e renda: 4.532 pagantes/R$ 78.170,00







domingo, 22 de maio de 2011

Corinthians ganha de virada por 2x1 e estreia bem no Brasileiro

O Corinthians começou bem o Brasileirão, em Porto Alegre, o time venceu o Grêmio de virada por 2x1. Gol de pênalti de Douglas. Chicão e Liedson, (depois de quase um mês sem marcar), garantiram os três pontos para o Timão. Aliás, foi a 1° vez que o Grêmio perde em casa em uma estreia de Campeonato Brasileiro, um grande feito conquistado pelo alvinegro paulista.

Chicão comemora seu gol de pênalti, começava a reação (Foto: Roberto Vinícius/AE)

Mas antes de falar do jogo, vamos aqui traçar um perfil do time do Corinthians, para o longo campeonato que se inicia. O time tem algumas deficiências, que serão diminuídas quando os reforços puderem jogar. Vamos começar com a defesa, o goleiro é uma incógnita, é bom tecnicamente, mas tem falhado muito. O lado direito da defesa é bom, mas sem reservas do mesmo nível. Vamos ver se Eldinho, que será o reserva de Alessandro, tem futebol para jogar em um time grande. O lado esquerdo da defesa, Leandro Castán começa a se destacar, por isso, merece um voto de confiança. Já Fábio Santos é fraco e um novo lateral esquerdo é necessário. Ralf tem qualidade. Paulinho parece jogador de time pequeno, e um novo 2° volante seria desejável, Ramírez é esforçado, mas é outro que precisa mostrar mais.
No meio campo, Alex chega com uma enorme responsabilidade, futebol ele tem e muito, tem tudo para encher os olhos da fiel com sua habilidade. Outro meia, para jogar do lado direito seria ótimo, até por que Morais, não passa confiança. Por enquanto Tite tem Danilo, Morais, Ramírez, e pode improvisar Jorge Henrique, o que acaba com o futebol do atacante, que rende jogando do lado do campo. Foi especulada uma troca entre Jorge Henrique e Andrezinho do Internacional, o que seria ótimo por que o meia do time gaúcho é um excelente jogador.
 No ataque, Emerson teve destaque nos times que jogou no Brasil, eu prefiro esperar para ver se vai jogar bem no Timão, futebol o “Sheik” tem. Liedson tinha caído de produção, mas como eu disse em “posts” anteriores, o problema era que a bola não chegava pela ineficiência na criação das jogadas. Então, o “Levezinho” continua prestigiado, além de ser um jogador com cara de Corinthians. O Imperador Adriano, só deve voltar aos gramados em setembro, se não tiver nenhuma outra contusão, é um nome que impõe respeito, desde que jogue bola, o que faz há tempos. Se estiver bem e com disposição, pode virar ídolo no Corinthians, mas vai ter que jogar muito para apagar a imagem que todos têm dele atualmente. O talismã William será importante na competição. E o técnico bem, só os resultados positivos para manter o contestado Tite. Enfim, o time é bom, reforços chegaram e podem chegar mais, se o time se acertar, pode brigar de igual para igual com qualquer um, se não vai brigar no máximo pela vaga na Libertadores. Meu palpite é que o coringão fica entre os cinco primeiros da competição, com grandes chances de título.
Bom, agora vamos falar do jogo contra o Grêmio. Com as saídas de Bruno César e Dentinho vendidos, e Jorge Henrique no banco, a base foi mantida, do time vice-campeão Paulista. Tite apostou no 4-4-2, com dois meias, Ramírez e Morais e dois centroavantes, com William e Morais se revezando no comando do ataque. O time mostrou vontade, mas não levou perigo ao gol do tricolor gaúcho, no 1° tempo. Já na defesa, o Grêmio começou marcando pressão, mas logo se segurou em campo, e teve oportunidades apenas em uma cobrança de escanteio, que Douglas quase fez olímpico, e Julio César se esticou todo para defender e quando Junior Viçosa quase fez ao tentar mandar de voleio, cruzamento da direita. O jogo foi estudado e as duas equipes se respeitando, sem deixar espaços para o adversário.
No 2° tempo, o tricolor gaúcho começou com a posse de bola e buscando abrir o placar. Aos  13 da etapa final, Leandro invadiu a área e foi derrubado por Castán. Douglas bateu  para um lado e  Julio César foi para o outro, 1X0. Pouco tempo depois, aos 20, Liedson recebeu na área e passou o pé por cima da bola tentando a finta, Lúcio atingiu o atacante, pênalti. Chicão bateu e Victor se esticou todo, quase defendendo, mas a bola foi para a rede, 1x1 .

Liedson fez o 2° gol   (Foto: Edu Andrade/AE)
 O Timão melhorou e estava melhor, aos 30, lateral na direita, Alessandro cobrou, Danilo resvalou e Liedson como um raio, foi mais rápido que o zagueiro e deu um voleio na bola, um golaço. Victor ficou pedindo impedimento que não houve, 2x1 Corinthians.
O detalhe é que o atacante estava a quase um mês sem marcar, e a escrita segue mantida, toda a vez que o camisa 9 marcou, o Corinthians venceu. Depois foi segurar o jogo, quase deu tempo de fazer o 3°, mas Paulinho bateu fraco em rápido contra-ataque e o goleiro mandou para escanteio. No fim o jogo acabou mesmo no 2x1. No Olímpico, em Porto Alegre o Corinthians começou sua trajetória no Brasileirão com vitória, de virada, uma vitória importante para dar moral ao time. Na próxima rodada, no domingo dia 29,o Timão pega o Coritiba, às 16 horas, no Pacaembu.
Ficha Técnica:
GRÊMIO 1 X 2 CORINTHIANS

Local:
Estádio Olímpico, em Porto Alegre (RS)
Data: 22 de maio de 2011 (domingo)
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Nielson Nogueira Dias (PE)
Assistentes: Erich Bandeira (PE) e Carlos Berkenbrock (SC)
Cartões amarelos: Ramírez, Paulinho, Chicão e Jorge Henrique (Corinthians)
Gols: GRÊMIO: Douglas, aos 13 minutos do segundo tempo; CORINTHIANS: Chicão, aos 20, e Liedson, aos 27 minutos do segundo tempo

GRÊMIO: Victor; Mário Fernandes, Saimon, Rodolfo (Escudero) e Neuton; Rochemback, Adilson (Willian Magrão), Lúcio e Douglas; Leandro e Júnior Viçosa (Lins)
Técnico: Renato Gaúcho

CORINTHIANS: Júlio César; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Ramírez (Moradei) e Morais (Danilo); Willian (Jorge Henrique) e Liedson
Técnico: Tite
postado por Felipe Fernandes

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Isso é Libertadores; Santos empata com o Once Caldas e está classificado

                   Neymar, assim como o rei na comemoração, fez um belo jogo(santosfc.com.br)

Que sufoco!


Sem dúvidas o jogo entre Santos e Once Caldas foi um verdadeiro teste para cardiácos, com muita emoção,gols e como sempre muitos, mas muitos gols perdidos para o time brasileiro.

A equipe santista mostrou quem mandava e qie tinha sim o melhor time, com muitos toques de bola e chances criadas, tanto que não em menos de vinte minutos, o time alviegro praiano, já estava em vantagem logos com 11 minutos, Danilo tocou para o génio e craque Neymar, que de fora da área, abriu espaço e chutou forte no canto direito do goleiro colombiano Martínez, Santos 1x0, e muita festa no Pacaembu que estava com um grande público.

Quem acreditava em uma goleada, estava mais confiante, afinal o time peixero, não dava espaços a equipe campeã da América de 2004, sempre com belos toques de bola, ótima marcação e um ataque infernal mas, futebol é uma caixinha de surpressas e aos 29 minutos, falta para o Once Caldas, levantamento na área, um bate rebate entre defesa brasileira e ataque colombiano, até que a bola sobra para o famoso Rentería(ex jogador do Internacional), empatar o jogo e colocar fogo na partida.

A partir dai, o jogo ficou muito igual e como a equipe visitante necessitava da vitória, mais um gol seria a grande meta, e com isso a pressão aumentou, fazendo o torcedor santista perder os dedos de tanto roer unha pois era tamanha a preocupação, afinal o time da cidade de Manizales , eliminou nada mais e nada menos que o forte Cruzeiro que havia sido a principal equipe do torneio na primeira fase após ser o melhor classificado.

A esperança era de um segundo tempo menos sufocante e mais alegre com o peixe matando logo a partida, e sem dúvidas que os indicios eram esse depois de o treinador Muricy Ramalho afirmar que o time não pode recuar pois jogava em casa e que a meta era matar ou morrer na partida , sempre atacando até uma hora marcar o segundo gol e se tranquilizar para a semi-final.

                                Neymar como sempre, muito caçado em campo(globoesporte.com)

 O "glorioso", como é conhecido, tratou de partir ao ataque adversário e sem o time santista não poder contar com Ganso, Neymar mostrou que joa por dois por três até mesmo pelo time todo. com toda essa genialidade de um craque como é, ele infernizou a defesa do time rival com lindas jogadas, sendo necessário até três marcadores para parar o génio brasileiro, mas esses esforços eram em vão, pois o camisa 11 do peixe não temia nada e passava por todos com quem passa por leves ventos em um final de tarde, e como é um jogador de equipe e não individual, passava a bola para os companheiros mais o seu parceiro no ataque, realmente não é digno de ostentar a linda camisa 9 que já foi vestida por nada mais nada menos que Coutinho, o grande parceiro de Pelé nos anos de reinado do grande Santos da década de 60.

Zé Eduardo o infeliz parceiro de "Neymaravilha", perde muitos, mas enormes chances de gol, sendo inclusive vaiado pelo torcedor ao sair de campo para a entrada do outro péssimo, e fraco Keirrison, que também pouco fez na partida. Zé Love perdia gols de todas as formas, dentro da área, fora, nos lados do campo, ou seja, de todas as maneiras ele se perdia na hora de empurrar a bola para as redes. A pressão uma hora tem de chegar ao fim e ela vem devido ao desgaste de quem chama a responsabilidade de fazer o espetáculo, e com isso o time colombiano, partia para cima do Santos, com muito perigo mais de fato nada de uma defesa fantástica de Rafael, apenas um grande volume de jogo que lhe dava o comando da partida, e quando ninguém esperava, o nome do jogo Neymar, fez uma jogada fantástica individual e já que não dá para resolver coletivamente, se resolve individualmente e foi assim que ele fez, depois de passar por três marcadores rivais, aos 42 minutos, o jovem e talentoso jogador santista, sofreu o pênalti, muita festa no Pacaembu que estava confiante que o peixão matasse logo aquele sufoco, mas o atacante perdeu a oportunidade de marcar o segundo gol e assim restavam ainda 7 minutos de uma partida que não acabava nunca, até que aos 49 minutos, o árbitro fez o estádio sorrir novamente e pulsar mais alto com o final da partida.

Agora o Santos espera seu adversário, que vem do jogo desta quinta-feira(19/05) entre Cerro Porteño-Par  e Jaguares-Mex. Agora o Santos enfrenta pela 1° rodada do Campeonato Brasileiro, na Vila Belmiro a equipe do Internacional, ás 2 horas.


VAMOS EM BUSCA DO TRI DA AMÉRICA
DA-LE PEIXE!!!!!!!!!


Postado por: Guilherme Sernajoto
Rafael, Danilo, Edu Dracena, Durval e Léo (Alex Sandro); Adriano, Arouca, Elano e Alan Patrick (Pará); Neymar e Zé Eduardo (Keirrison). Martínez, Palacios, Amaya, Henríquez e Nuñez; Cuero (Pajoy), Mejía, Carbonero e Mirabaje (Harisson Henao); Dayro Moreno e Rentería.
Técnico: Muricy Ramalho Técnico: Juan Carlos Osório
Gols: Neymar, aos 11, Rentería, aos 29 minutos do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Amaya (Once Caldas); Araouca, Rafael (Santos)
Data: 18/5/2011. Local: Pacaembu, em São Paulo. Árbitro: Enrique Osses (CHI), auxiliado por Francisco Mondria (CHI) e Juan Maturana (CHI). 



segunda-feira, 16 de maio de 2011

O peixe engole a galinha; Santos vence o Corinthians e conquista o Paulistão pela segunda vez

                   A taça entregue ao melhor time do país e fututo melhor da América(santosfc.com.br)

Muitas emoções para apenas 90 minutos, de um jogo que jamais será esquecido pela torcida santista que lotou o alçapão da Vila Belmiro, com muita festa e apoio ao time dos meninos da vila.

O jogo foi aquele famoso "teste para cardíacos", sendo no primeiro tempo para a torcida corintiana, e no segundo para a torcida santista, sempre com fortes emoções e chances perdidas. O que se via no estádio Urbano Caldeira, era um time muito mais forte só que cansado, criando inúmeras oportunidades mais no momento chave pesava as viagens e o enorme desgaste de uma equipe que sonha em conquistar a América.

O primeiro tempo podemos dizer que foi 4x1, pois se contarmos com o gol, mais duas oportunidades claras, e por fim um bola na trave que foi desviada pelo goleiro levemente, contra um erro ao cabecear uma bola livre, teríamos sim este resultado, mas, futebol não é perfeição,  é raça e disputa desde o primeiro toque até o apito final do juiz. O Corinthians começou dominando a posse de bola, deixando bem claro que seus objetivos ao títulos eram fortes e que o time da casa não poderia errar pois com jogadores rápidos como Liédson, Jorge Henrique e Dentinho, a taça poderia ficar nas mãos erradas.

A proposta do Santos era interessante, acompanhar a forma da equipe adversária de jogar para assim elaborar uma estratégia de chegar ao gol. O jovem Neymar estava bastante marcado pelo lateral Alessandro, mas, o  alvinegro praiano, era mais que um jogador, era um grupo forte e com a marcação forte em um atleta, sobraram espaços para o volante Arouca, o lateral Léo, e o atacante Zé Eduardo, e com isso, as oportunidades começaram a surgir. O Corinthians começou a fazer a famosa "linha burra" e percebendo disso o treinador Muricy pediu para os jogadores esperarem o momento certo para correr até a bola e receber  lançamento, primeiro Zé Eduardo impedido por pouco, marcou o gol que foi certamente anulado, depois viria o primeiro tiro de um enorme bombardeiro que sofreria o time do Parque São Jorge, aos 16 minutos, Léo fez um lançamento para Zé Eduardo(em posição legal), a bola foi desviada por Ralf, o camisa 9 dominou esperou a passagem de Arouca e fez um belo passe, para o volante empurrar para o gol, Santos 1x0, muita festa na linda Vila Belmiro. Pouco tempo depois, o Santos chutaria uma bola na trave com o volante Arouca que estava inspirado, mas deu azar.
 Arouca em festa após o primeiro gol da final e o primeiro dele pelo clube(santosfc.com.br)

Dai em diante seria o desespero do Corinthians, contra a vantagem santista, e sendo assim os espaços viriam, primeiro com Alan Patrick que após receber um belo passe de Neymar, sozinho com o goleiro Júlio César, chutou para o alto, o que seria o segundo tento. Pouco tempo  depois, seria a vez do craque Neymar que após receber belo lançamento de zé Eduardo, perdeu um gol que todo o atacante gostaria e faria com maior prazer, deixando o torcedor do santos preocupado. A equipe visitante teria apenas um chance após falta cobrada por Chicão, Ralf e Castán perderam o tempo da bola e desperdiçaram a chance da igualdade no placar.

O segundo tempo seria o cansaço santista contra o desespero corintiano, que pressionava o time da casa com bola na área o tempo todo deixando o torcedor extremamente preocupado, mas apareceu o zagueiro Durval que brilhantemente, tirava o perigo do gol santista aliás, a defesa restava muito segura e mesmo com a saída precoce de Jonathan(estiramento muscular) para a entrada de Pará, o time se comportava como um campeão, sem desesperos e com muita segurança, o que restava aos comandos de Muricy, eram os contra-ataques, puxados por Neymar, elano e Zé Eduardo, mas que por um grande desgaste não levavam tanto perigo ao gol adversário.

Após um cruzamento perigoso de Alessandro viria a jogada que esquentaria o jogo:ao 38 minutos, Elano lançou Zé Eduardo pelo lado esquerdo, o camisa nove avançou para a marcação adversária, e tou para Neymar, que partiu para cima de nada mais nada menos do que 4 marcadores corintianos, e bateu para o gol, o goleiro Júlio César desatento foi para a bola no susto e não a segurou firme, permitindo-a escapar e rolar mansamente para o gol vazia, Santos 2x0 e o caldeirão fervendo, era o título o fim do jogo? enganado que pensara nisso após o segundo tento alvinegro. Pouco tempo depois, aos 41 minutos, Jorge Henrique, tocou para Moraes pelo lado esquerdo, o meia lançou para a área, o zagueiro Edu Dracena deixou de ir na bola que estava ao seu alcance, que passou e foi direto para o gol de Rafael, Santos 2x1 e muita pressão pela frente.

                Neymar comemorando o seu lindo gol que foi o do título(santosfc.com.br)

Depois dos dois gols, o fim desta final, seria muito preocupante para a nação santista que viu o time da capital paulista, pressionar com bolas na área e chutes fortes para a o gol, mas foram todos em vão o jogo se encerrou e o titulo estava nas mãos do Santos, que se torna o time que mais vezes conquistou o Campeonato Paulista consecutivamente, sendo no total em seis oportunidades o time alvinegro praiano conquistou o bi campeonato.
             Gênio Muricy Ramalho sentindo o que é o Santos Futebol Clube(santosfc.com.br)

A festa promete não parar nunca e agora o foco é a Taça Libertadores da América, na quarta-feira contra o Once Caldas no estádio do Pacaembu.

PARABÉNS SANTOS FUTEBOL CLUBE PELA CONQUIATA DO BI CAMPEONATO, ESPERO QUE POSSA CONQUISTAR MAIS GRANDES TITÚLOS PELO SEU FUTEBOL BONITO E MULEQUE.

Não podemos esquecer dos outros campeões quero desejar um parabéns ao Santa Cruz e ao internacional pelas conquistas do Campeonato Pernambucano e o Campeonato Gaúcho, comemorem bastante essas brilhantes conquistas.

QUE VENHA A LIBERTADORES DA-LE BRASIL DA-LE SANTOS!!!!!!!!!!

                                    Time campeão pulista de 20119santosfc.com.br)

Postado por: Guilherme Sernajoto


Rafael, Jonathan (Pará), Edu Dracena, Durval e Léo (Alex Sandro); Adriano, Arouca, Elano e Alan Patrick (Possebon); Neymar e Zé Eduardo. Julio Cesar, Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho (Ramires), Bruno César (Morais) e Jorge Henrique; Dentinho (Willian) e Liedson.
Técnico: Muricy Ramalho Técnico: Tite



Gols: Arouca, aos 16 minutos do primeiro tempo; Neymar, 38, Morais, 41 minutos do segundo tempo
Cartões amarelos: Chicão, Fábio Santos, Liedson (Corinthians), Elano, Pará, Léo (Santos)
Local: Vila Belmiro. Data: 15/5/2011. Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira. Auxiliares: Luiz Flávio serão David Botelho Barbosa e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo. Renda e público: R$ 745.610,00 público: 14.322

                                                                                    

domingo, 15 de maio de 2011

Corinthians esbarra nas próprias deficiências e fica com o vice campeonato do Paulistão

Na final do Campeonato Paulista 2011 o Corinthians perdeu do Santos na Vila Belmiro, por 2x1 e viu o time da baixada levar o bicampeonato. Com o resultado o time praiano confirma a boa fase após a chegada do treinador Muricy Ramalho e confirma a tese de que é a melhor equipe do futebol brasileiro na atualidade.
O Corinthians novamente fez uma partida tecnicamente horrível e mereceu perder, o time precisa de mudanças por que a perda do Paulista e a eliminação precoce da Libertadores demonstraram o quanto o Timão precisa de reforços e de uma faxina no elenco. Não é que a derrota tenha transformado o time em uma porcaria, mas convenhamos, existem jogadores no Corinthians que deixam a desejar. As posições os torcedores têm na ponta da língua, zagueiro, lateral esquerdo, volante que sai para jogar, meia, atacante. O treinador Tite tanbém tem seu trabalho contestado por parte da torcida.

Dentinho reflexo do Corinthians na temporada, muito mal  (Foto:EFE)
Antes de falar da decisão contra o Santos, vamos aqui fazer um balanço do Corinthians no primeiro semestre, aliás, no ano do Centenário, o Timão não ganhou nada, perdeu um campeonato Brasileiro que estava em suas mãos, mas fraquejou quando não podia, nas três últimas rodadas, e viu o penta nacional ir para o Rio de Janeiro, na Libertadores deste ano uma humilhante eliminação para o desconhecido Tolima da Colômbia, em dois jogos que a equipe se portou de maneira ridícula, demonstrando ter um elenco fraco e um time razoável. Com a aposentadoria de Ronaldo, que já foi fenômeno, mas estava sem condições de praticar futebol profissional e a saída inesperada de Roberto Carlos, o Timão ficou sem os medalhões, com jogadores comuns. No Paulistão, convenhamos que a primeira fase não serve de parâmetro, no mata mata contra o Palmeiras, contra o Santos e nos clássicos na 1° fase ( a excessão foi os 3x1 contra o Santos no Pacaembu na 1° fase) o time jogou mal em todos os jogos. Um time com uma defesa inconstante, tirando Chicão e Alessandro, os demais ainda precisam provar que merecem jogar com a camisa alvinegra, Ralf tem crédito, agora o jogador que era de suma importância para o Timão, o volante Paulinho, aquele que desafogava o time e era responsável pela transição rápida da defesa para o ataque, mostrou que some em jogos importantes e parece ser jogador de time pequeno, Paulinho ainda merece uma oportunidade, mas precisa mostrar mais. Bruno César e Dentinho, neste ano não jogaram bola, estão tendo uma péssima temporada, no caso do meia já é certo sua saída, já Dentinho segue indefinida sua transferência para Europa, a torcida espera que os dois saiam logo. Liedson teve queda de rendimento, mas a bola não chega no centroavante já que os meias e a dupla de atacantes não criam nada. Então, o centroavante segue prestigiado. Jorge Henrique, está muito mal tecnicamente, o atacante reclamou que está jogando fora de posição, que está tendo que jogar mais pelo meio, ajudando na marcação, mas a verdade é que o atacante está muito mal, não ganha uma jogada, apenas corre, mas tem faltado qualidade. O técnico Tite não deu padrão tático para o time, o Corinthians hoje é um time sem jogadas ensaiadas e um time sem movimentação no ataque, um time lento.
O presidente Andrés Sanchez promete reforços, o atacante Gilberto do Santa Cruz, o meia Alex, o volante do Caxias Edenílson já são dados como certo, Andrés ainda promete mais três reforços.
Bom depois de constatada a situação atravessada pelo Timão, vamos ao jogo contra o Peixe. Desde já digo que o Corinthians jogou muito mal, nem parecia que estava em uma final, faltou um Ronaldo (o goleiro), um Rincón, um Marcelinho, um Vampeta, um Ricardinho, um Christian, enfim faltou um jogador com alma de Corinthians, um time com brio, faltou um cara que levantasse a torcida, um guerreiro em campo.
No 1° tempo o Corinthians novamente assistiu o Santos jogar, sem velocidade e criatividade no ataque, o goleiro Rafael não pegou uma bola na etapa inicial. O Santos perdeu alguns gols, Léo, após tabelar com Arouca perdeu o 1° deles ao chutar por cima aos 7. Aos 16, Arouca escorou cruzamento de Zé eduardo e fez 1x0. Aos 18 Jorge Henrique bateu de fora da área, mas a bola saiu por cima do gol de Rafael. O jogo seguia travado sem chances de gol para as dua equipes. Aos 33, Arouca pegou rebote da entrada da área e soltou uma bomba de primeira, a bola explodiu na trave. Aí o Santos foi para cima e o Corinthians só se defendia, vendo o Santos jogar. A defesa do Corinthians tentava parar o Santos na base da linha de impedimento, Neymar começou a aparecer, primeiro deu belo passe para Alan Patrick aos 39 mandar para cima. Na chance mais perigosa do Corinthians, Chicão levantou a bola na área em cobrança de falta, J.Henrique subiu sozinho mas não alcançou a bola qua passou raspando a trave. Aos 42, Neymar recebeu bola nas costas de Chicão que tinha parado para fazer linha de impedimento, ao ficar frente a frente com Julio César, o atacnate deu o chute no vácuo de Valdívia tentando tirar o goleiro da jogada, como Julio ficou de pé no lance, Neymar na conclusão bateu em cima do arqueiro. Assim o 1° tempo acabou 1x0 para sorte do Corinthians. Os jogadores do Peixe saíram reclamando que o placar era pouco.


Alessandro exemplo de raça (Foto:AP)
 Para o 2° tempo, Tite decidiu colocar William no lugar do apático Dentinho, o Corinthians ficava com a bola, mas não criava, Durval tirava todas na zaga santista, o timão pecava pela falta de criatividade. Neymar era o único que levava perigo a defesa do Timão. Aos 12, Neymar fez fila na defesa mas mandou para fora. Aos 15 William mandou uma bomba que Rafael defendeu. O Corinthians tentava mas sem ser incisivo, o time tentava mais não empolgava,  faltava alguém com poder de decisão. Neymar aos 36 desperdiça contra ataque ao fazer fila na defesa e Chicão desarmar o atacante, na sequência a bola chega em William que faz fila na defesa do Santos, o atacante vai da esquerda para direita com velocidade tirando a defesa do Peixe, mas Jorge Henrique manda para fora. Aos 38, Neymar recebe na esquerda, entra na área e bate por debaixo das pernas de Chicão, a bola foi fraca nas mãos de Julio César que engoliu um frangaço e deixou a bola escapar das suas mãos, chovia na Vila, mas a falha foi gritante, 2x0 Santos e o título assegurado. O Corinthians diminuiu dois minutos depois com Morais. O Timão ainda tentou o empate mas o Santos fez cera, segurou o quanto pode o jogo, o juiz foi conivente com o anti-jogo santista, mas o título foi merecido. Depois da chegada de Muricy, o Peixe estava à dez partidas invicto, seis sem tomar um gol, era a equipe que procurou jogar e fez por merecer o título, o Corinthians teve que se contentar com o 2° lugar, o que foi justo também, já que não jogou nada nos dois jogos. Com a conquista, a quarta nos últimos seis anos, o Peixe chega ao bicampeonato e ao 19° título do Paulistão e foca agora o tri da Libertadores.

FICHA TÉCNICA
SANTOS X CORINTHIANS

Local
: Estádio da Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data: 15 de maio de 2011, domingo
Horário: 16 horas (horário de Brasília)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Assistentes: David Botelho Barbosa e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (ambos de SP)
Assistentes adicionais: Claudinei Forati Silva e Leonardo Ferreira Lima (ambos de SP)
Cartões Amarelos: Elano, Léo, Neymar e Pará (Santos); Chicão e Liedson (Corinthians)
Gols: SANTOS: Arouca, aos 16 minutos do primeiro tempo, e Neymar, aos 38 minutos do segundo tempo
CORINTHIANS: Morais, aos 41 minutos do segundo tempo

SANTOS: Rafael; Jonathan (Pará), Edu Dracena, Durval e Léo (Alex Sandro); Adriano, Arouca, Elano e Alan Patrick (Rodrigo Possebom); Neymar e Zé Eduardo
Técnico: Muricy Ramalho

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho (Cachito), Bruno César (Morais) e Jorge Henrique; Dentinho (Willian) e Liedson
Técnico: Tite
postado por Felipe Fernandes